DOL Carajás
Edição do dia
Edição do dia
Leia a edição completa grátis
Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$
SAÚDE

Hospital de Redenção volta a fazer transplantes de rim

Com a diminuição de casos de Covid-19 na região, equipe de nefrologistas agora podem focar nas cirurgias e transplantes

terça-feira, 02/11/2021, 15:31 - Atualizado em 02/11/2021, 16:37 - Autor: Dinho Santos, de Redenção

Google News

Nos dias 25 e 26 a equipe médica do HRPA, especializada em transplante renal realizou dois procedimentos
Nos dias 25 e 26 a equipe médica do HRPA, especializada em transplante renal realizou dois procedimentos | Divulgação

O Brasil é o segundo país em termos absolutos de transplante renal no mundo (cerca de 6.000 renais ao ano), atrás dos Estados Unidos com cerca de 20.000 ao ano. Infelizmente esse número é baixo e estamos em 25º colocado dentre os países com mais doadores (vivos + falecidos), não sendo capaz de suprir a nossa demanda. 

Mesmo com quase 6.000 transplantes renais ao ano (e uma mortalidade de 1.300 pacientes aguardando em fila) a entrada de novos pacientes é cerca de 10.000 ao ano. Estima-se que existam cerca de 130.000 pacientes em diálise no Brasil e que cerca de 30.000 deles estão inscritos em programa de transplante renal em algum serviço habilitado (22.000 ativos em lista – habilitados ao Tx renal).

Com a diminuição dos casos de Covid-19 na região do sul do Pará, o Hospital Público Regional do Araguaia, HRPA, voltou a fazer o procedimento cirúrgico de transplante de rins em pacientes que estão na fila de espera.

Nos dias 25 e 26 a equipe médica do HRPA, especializada em transplante renal realizou dois procedimentos, sendo que no dia 25 de outubro o procedimento foi em paciente do sexo masculino e no dia 26 em uma paciente do sexo feminino.

Os pacientes há cerca de três anos realizavam o procedimento de hemodiálise no Hospital Regional. As cirurgias de transplante renal, foram interrompidas devido à pandemia de Covid-19.

O primeiro paciente a receber a doação foi Wilson Vieira dos Santos, 46 anos, residente no município de São Domingos do Araguaia, que recebeu um rim do irmão, Edimilson Vieira dos Santos, 48 anos. 

Veja também!

Sine busca trabalhadores para mais de 50 vagas em Marabá

Homem é assassinado com facada no peito

Mesmo com chuva, marabaenses vão a cemitérios

A segunda paciente foi Oneide Venâncio da Silva, de 46 anos, que reside na cidade de Colinas do Estado do Tocantins. A paciente recebeu um rim da prima, Josielma Gonsalves de Castro, de 43 anos. 

Desde que iniciou o processo cirúrgico de transplante renal o Hospital Regional de Redenção, já realizou 65 transplantes, sendo que dois de doares falecidos e 63 intervivos. 

Para o paciente Wilson Vieira dos Santos, receber um novo rim e ter deixado a máquina de hemodiálise representa uma vida nova. "Estou muito feliz em receber a doação do meu irmão. É um sentimento de vitória e de vida nova’’, comemora o paciente. 

 

O primeiro paciente a receber a doação foi Wilson Vieira dos Santos, 46 anos, residente no município de São Domingos do Araguaia
O primeiro paciente a receber a doação foi Wilson Vieira dos Santos, 46 anos, residente no município de São Domingos do Araguaia | Divulgação
 

O hospital é administrado pela Associação de Saúde, Esporte, Lazer e Cultura - Aselc. 

De forma prática e objetiva, a Covid-19, doença causada pelo Coronavírus SARS-CoV-2, exigiu que nefrologistas, urologistas e equipes multidisciplinares de atendimento ao transplante renal procedessem ajustes nas tomadas de decisões, diante de incertezas provocadas pela ausência de experiência relacionada à pandemia e os riscos para o receptor.

A qualidade de vida de pacientes que apresentam falência renal definitiva é algo que deve ser considerado diante da necessidade de diálises periódicas como forma de manter a vida, quando não há a possibilidade de um transplante renal.


Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)