Típico de junho, o clima festivo gerado neste mês remete a um dos santos precursores da Igreja Católica, São João Batista. Com fogueira, fogos, alimentos, bebidas e bandeirinhas, João Batista é celebrado ao lado de Santo Antônio, São Pedro e São Marçal, nas famosas festas juninas tão tradicionais nesta época do ano no Brasil. 

De acordo com os textos bíblicos, João foi um pregador itinerante nascido na Judeia, onde se tornou líder religioso de um grupo de judeus da época, exaltando a importância de valores como retidão e da prática da virtude. Parente de Jesus, João é filho de um sacerdote chamado Zacarias e de Isabel, prima de Maria, a mãe de Jesus. 

João Batista se tornou uma das figuras mais importantes para o cristianismo e um santo muito popular, conta o antropólogo Anselmo Paes. “A festa de São João é antiga, tendo registros ainda nos primeiros séculos do cristianismo no ocidente, sendo festejada no dia 24 de junho com feiras, música e danças. Sua data é a do nascimento do santo e profeta São João Batista, cuja referência surge na Bíblia, que o identifica como parente de Jesus, mais tarde como responsável pelo seu batismo no Rio Jordão. É dele a imagem muito conhecida e querida do santo menino com o cordeiro ao lado”, relata. 

Devotos louvam São João Batista pelas ruas da Cidade Velha

Arraiá do DOL: playlist para entrar no clima das festas juninas

O pesquisador detalha sobre a chegada da festa no país. “No Brasil, recebe-se a festa católica portuguesa através da colonização, porém aqui vai receber em cada região seus produtos agrícolas, estilos de dança e ritmos musicais, enriquecendo com cada contribuição. Aqui no Norte, temos os mingaus, a tapioca, a cocada de vários sabores, o bolo de macaxeira, vatapá e tacacá, a paçoca, entre outros pratos com ingredientes e técnicas vindas das comunidades indígenas e da cultura africana no Brasil. A popularidade deste encontro e comunhão festiva está registrada em nossa literatura, músicas, história e memórias afetivas”. 

O mestre Lucas Bragança do Grupo de Carimbó Sancari, é responsável pela confecção e hasteamento do mastro de São João do Pavulagem, comenta sobre o lado religioso atrelado à cultura popular. 

“São João é o santo, que desde criança, é considerado milagroso. Na festa popular, nos ‘arraiás’, em cidades do interior, a gente festeja São João com hasteamento do mastro. No festejo, unimos o religioso e o profano. O hasteamento é uma comemoração, em que os mastros são enfeitados de frutas e flores, em uma forma de agradecimento pela colheita, pela saúde, uma forma de pagar as promessas”, explica Lucas do Sancari, do bairro da Pedreira. 

LADO PROFANO 

O lado profano, diz o mestre, contempla as festas, as bebidas, as comidas. “A bebida aluá, feita a partir da fermentação da casca do abacaxi, é típica da festa feita em potes tradicionais, servida nas comemorações”, detalha. 

A confecção do mastro é rápida, afirma o mestre. “Eles cortam o mastro, descascam e deixam ele secar, pintam com tinta óleo. Depois que é colocado em pé, o mastro fica ali perpetuando os santos festejados nesta época e só é derrubado quando termina a quadra junina, no dia de São Marçal, dia 30”. 

Neste ano, o hasteamento foi feito no último dia 9 de junho e será derrubado no dia 3 de julho, na ocasião do último arrastão do Arraial do Pavulagem.

Santo junino é atração no Arraial de Todos os Santos 

A programação do Arraial de Todos os Santos, segue nesta semana com o 18º Concurso Estadual de Quadrilhas Juninas, com entrada franca. Na mesma programação está uma mostra cultural, na Praça do Artista, também no térreo do Centur, em Belém. 

“Com muito prazer nós nos apresentamos no Centur, nos sentimos valorizados. Somos resistentes da cultura popular, a maioria dos participantes é de jovens crias do projeto do nosso boi”, declara Maria Rosângela de Nazaré, mestra de cultura popular e coordenadora geral do Boi Curumim Tabatinga, que se apresentou esta semana. Os grupos e artistas também celebram a retomada do São João. “Para nós, é muito importante apresentar nosso trabalho. Temos 56 brincantes entre crianças, adultos e adolescentes”, conta Rosa. 

Nesta sexta-feira, 24, a programação conta com a realização de concurso das misses caipiras Mix, com apresentação de 40 candidatas. Já no sábado e no domingo, 25 e 26, haverá apresentações de quadrilhas mirins e adultas. 

Com início às 19h, a programação começa com a apresentação de dois grupos, “Revelação Junina Mirim”, de Abaetetuba, seguida do grupo “Raízes da Simpatia”, da cidade de Colares. No domingo, a programação continua com apresentação de grupos de quadrilha mirins e adultos. 

ARRAIAL DA NOSSA GENTE 

Os festejos juninos também seguem na Praça Waldemar Henrique, no bairro do Reduto, com a programação da Mostra Cultural II, na Concha Acústica. Hoje, 24, quem passa por lá é o Arraial do Pavulagem. Amanhã, 25, a grande atração da festa é a cantora Suanny Batidão. Já no domingo, será a vez de Adilson Alcântara abrilhantar a programação do Arraial da Nossa Gente, promovido pela Fumbel. 

Além das quadrilhas juninas e concurso de misses, outra opção para quem quer curtir a quadra junina são as apresentações dos cordões de pássaro e de bicho que estão ocorrendo no Teatro Waldemar Henrique, na Praça da República, no bairro da Campina. Eles voltam a se apresentar na próxima quarta-feira, 29.

Veja a programação:

|
Os festejos de São João tomam conta da cidade no final de semana Foto: Antônio Melo/Diário do Pará

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS