Diário Online
Edição do dia
Edição do dia
Leia a edição completa grátis
Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$
PANDEMIA

Ômicron é menos grave que outras cepas, dizem estudos

Pesquisas indicam que onda de infecções de Covid-19 causada pela Ômicron parece ter menos hospitalizações e óbitos.

domingo, 02/01/2022, 15:59 - Atualizado em 02/01/2022, 15:59 - Autor: ( Com informações Metrópoles )

Google News

A entidade ressalta ainda a importância de evitar aglomerações e recomenda que se prefiram ambientes bem ventilados
A entidade ressalta ainda a importância de evitar aglomerações e recomenda que se prefiram ambientes bem ventilados | Getti Imagens

Desde a identificação da variante Ômicron do coronavírus, o mundo está em alerta para o desenvolvimento da infecção e a consequente pressão nos serviços de saúde causada pela nova demanda. As primeiras informações não foram encorajadoras: a cepa se mostrou muito mais transmissível do que suas antecessoras, sendo responsável por mais uma onda de casos em vários países, e capaz de escapar parcialmente das vacinas.

Porém, um mês depois do alerta feito à OMS sobre a variante, estudos indicam que a nova onda de infecções de Covid-19 causada pela Ômicron parece ser menos grave do que as anteriores. Dados iniciais de uma pesquisa da Universidade de Edimburgo, na Escócia, sugerem que a Ômicron está associada a uma redução de dois terços no risco de hospitalização por Covid-19, quando comparada com a variante Delta.

Embora ofereça maior proteção contra outras variantes, a dose de reforço da vacina é considerada substancial para diminuir o risco de Covid-19 sintomática em infecções causadas pela Ômicron. Até o momento, o imunizante parece proteger contra hospitalizações e casos graves com duas doses, mas precisa da terceira para evitar que o paciente tenha sintomas.

Segundo o estudo escocês, publicado na última quarta-feira (22/12), somente 15 pacientes foram hospitalizados com a nova variante no país. Caso a Ômicron funcionasse da mesma forma que a Delta, o número de internações seria três vezes maior, representando 47 ocorrências. O trabalho ainda é preliminar e precisa passar pela revisão dos pares. A entidade ressalta ainda a importância de evitar aglomerações e recomenda que se prefiram ambientes bem ventilados

Segundo a OMS, a Ômicron é mais resistente às vacinas disponíveis no mundo contra as demais variantes e se espalha mais rápido. Dores no corpo, na cabeça, fadiga, suores noturnos, sensação de garganta arranhando e elevação na frequência cardíaca em crianças são alguns dos sintomas identificados por pesquisadores em pessoas infectada. Em relação à virulência da Ômicron, os dados são limitados, mas sugerem que ela pode ser menos severa que a Delta, por exemplo.

O surgimento da variante também é uma incógnita para cientistas. Por isso, pesquisadores consideram três teorias para o desenvolvimento do vírus .A primeira é que a variante tenha começado o desenvolvimento em meados de 2020, em uma população pouco testada, e só agora acumulou mutações suficientes para se tornar mais transmissível. A segunda é que surgimento da Ômicron pode estar ligado a HIV não tratado. A terceira, e menos provável, é que o coronavírus teria infectado um animal, se desenvolvido nele e voltado a contaminar um humano.

De qualquer forma, o sequenciamento genético mostra que a Ômicron não se desenvolveu a partir de nenhuma das variantes mais comuns, já que a nova cepa não tem mutações semelhantes à Alfa, Beta, Gama ou Delta. Com medo de uma nova onda, países têm aumentado as restrições para conter o avanço da nova variante. De acordo com documento da OMS, a Ômicron está em circulação em 110 países.

Na África do Sul, ela vem se disseminando de maneira mais rápida do que a variante Delta, cuja circulação no país é baixa. Na última semana, a África do Sul também informou que já registra queda nos casos de Ômicron. O país foi o primeiro a identificar a nova cepa, e dobrou a quantidade de testes feitos para acompanhar o desenvolvimento da variante mas, mesmo assim, os diagnósticos caíram nos últimos dias.

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)
MAISACESSADAS