Diário Online
Edição do dia
Edição do dia
Leia a edição completa grátis
Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$
PANDEMIA

Estudo: ‘Efeito Bolsonaro’ não afetou vacinação

Resultado demonstra a força do Plano Nacional de Imunização, apesar do comportamento de Bolsonaro na pandemia

sábado, 19/03/2022, 07:48 - Atualizado em 19/03/2022, 07:50 - Autor: FOLHAPRESS

Google News

Durante o estudo, os pesquisadores usaram dados do Facebook
Durante o estudo, os pesquisadores usaram dados do Facebook | Wagner Almeida / Diário do Pará

Falas e comportamentos de Jair Bolsonaro (PL) durante a pandemia da Covid-19 não afetaram a vacinação contra a doença no país, concluiu um estudo da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) em parceria com o IRD (Instituto Francês de Pesquisa e Desenvolvimento).

Cinco pesquisadores analisaram a influência de diversos fatores socioeconômicos e políticos nas taxas de imunização dos 5.570 municípios brasileiros até outubro de 2021, separando os que votaram majoritariamente em Bolsonaro no primeiro turno das eleições de 2018. Eles esperavam que o chamado “efeito Bolsonaro” tivesse freado a vacinação nesses locais. O que encontraram, porém, foi um impacto apenas nos três primeiros meses da aplicação da primeira e segunda doses. Depois, a tendência se inverteu, e cidades que o apoiaram se imunizaram mais.

Venda de máscaras cai no centro comercial de Belém

“Ele nunca se vacinou e levantou dúvidas sobre a vacina. Parece que esse tipo de comportamento teve uma contribuição negativa no início, mas depois o tempo foi passando e, até por ver os efeitos da vacinação, as pessoas se conscientizaram, independentemente de terem votado nele”, diz João Saboia, um dos autores do estudo.

Além disso, segundo os pesquisadores, o resultado demonstra a força do Plano Nacional de Imunização (PNI). “Tem também esse aspecto de o Brasil ter uma tradição de vacina. O PNI é espetacular, apesar de estar perdendo força”, afirma o professor emérito do Instituto de Economia da UFRJ.

De acordo com eles, o fato de que os municípios que apoiaram o presidente se vacinaram mais com a primeira dose, observado quando se junta os dados de todos os trimestres, pode ser explicado pela alta mortalidade nesses locais. “A população, neste caso, teria aderido mais fortemente à vacinação, até como forma de se proteger num contexto de baixa adesão às medidas não farmacológicas, como aquelas de isolamento ou uso de máscara”, escrevem no estudo.

NOVAS FRENTES

Em 2020, o mesmo grupo já havia cruzado os casos da doença com o resultado das eleições presidenciais e chegado à conclusão de que havia uma correlação entre a preferência por Bolsonaro e a expansão e a mortalidade da Covid-19, como outros estudos também mostraram. Agora, porém, decidiram expandir a análise em três frentes: primeiro, recalcularam os números de mortalidade a cada trimestre por um período maior, descobrindo que a influência do presidente nos óbitos se mantém nas diferentes fases da pandemia.

Bolsonaro diz que bloqueio do Telegram é “inadmissível”

“Nossos resultados confirmaram a importância do fator político: o efeito Bolsonaro resiste ao tempo e à interação com os demais fatores”, constatam no relatório. Depois, fizeram os mesmos cálculos do seu impacto na vacinação e na mobilidade dos municípios. Usando dados do Facebook, concluíram que o índice de deslocamento também foi mais alto em cidades que elegeram Bolsonaro. O isolamento social foi mais frequente em cidades com maior porcentagem de brancos, homens, mais escolarizados e renda média maior.

Os mesmos elementos fizeram as taxas de vacinação subirem. Além disso, as cidades com trabalhadores que se deslocam para trabalhar em outros municípios se imunizaram mais, e as com muitos trabalhadores informais, menos.

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)
MAISACESSADAS