Diário Online
Edição do dia
Edição do dia
Leia a edição completa grátis
Previsão do Tempo
23°
cotação atual R$
"TIRO NO PÉ"

Privatização da Petrobras racha base aliada de Bolsonaro

Às vésperas das eleições, interlocutores do governo desaconselham privatização da petroleira. Planalto já busca alternativas.

sábado, 14/05/2022, 14:41 - Atualizado em 14/05/2022, 16:18 - Autor: Sales Coimbra, com informações do Metrópoles

Google News

Plano de privatização da Petrobras gera opiniões conflitantes  entre apoiadores de Bolsonaro.
Plano de privatização da Petrobras gera opiniões conflitantes entre apoiadores de Bolsonaro. | (Foto: Divulgação Agência Petrobras)

Definido como "prioritário" pelo novo titular do Ministério de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, o projeto de privatização da Petrobras divide até mesmo a base aliada do presidente Jair Bolsonaro (PL). A notícia de que o ministro recém-empossado já havia entregue à equipe econômica estudos com vistas à desestatização da petroleira gerou rejeição entre interlocutores do Planalto.

Entre aqueles que trabalham para a reeleição do atual chefe do Executivo federal, há duas opiniões conflitantes. Um grupo teme que uma medida tão polêmica como a privatização da Petrobras acabe por pautar a campanha eleitoral, gerando ainda mais desgaste para Bolsonaro. Outra ala da base de apoio, ao contrário, acredita que a pauta pode gerar ganhos eleitorais.

LEIA TAMBÉM:

Caminhoneiros ameaçam paralisação geral após alta do diesel

Veja onde encontrar o diesel mais barato em Belém

O setor que desaconselha a proposta anunciada por Sachsida argumenta que a medida pode acabar se tornando “um tiro no pé”, uma vez que os primeiros efeitos negativos do anúncio já começaram a ser sentidos no Palácio do Planalto.

Na última sexta-feira (13), o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, ameaçou o governo com "a maior greve da história", caso Bolsonaro “ouse pautar a privatização da Petrobras”.

Em uma reunião marcada para este domingo (15), os caminhoneiros decidirão se a categoria deflagrará uma greve nacional em protesto contra o mais recente aumento no preço do diesel (de 8,87% ).

Aliados do governo esclarecem que, mesmo que uma parte da categoria tenha abraçado o discurso de Bolsonaro de que alta dos combustíveis é de inteira responsabildade da Petrobras, é importante ter em mente que há divergências a esse respeito entre os caminhoneiros. Há ainda quem diga, nos bastidores do governo, que o debate sobre a privatização da petroleira pode “dar munição à esquerda”.

Vias legais

Ao defender que a Petrobras “tem de ter o seu papel social no tocante ao preço dos combustíveis”, durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais realizada no início da semana, Bolsonaro assegurou que não pretende interferir na gestão da Petrobras, salvo “pelas vias legais”.

Segundo informações de aliados do governo, haveria duas formas legais de interferência na estatal. Uma delas está relacionada ao preço do frete. O Ministério da Economia calcula que uma mudança no valor do frete poderia reduzir a cotação do petróleo de 10% a 15%.

A ideia de integrantes do Ministério de Minas e Energia é de que uma possível alteração na fórmula do cálculo dos preços dos combustíveis poderia resultar na diminuição dos valores cobrados nos postos revendedores. No entanto, esse caminho esbarra na posição do presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, que afirmou que a empresa manterá a política de preços (de alinhamento ao mercado internacional) a qualquer custo. 

A outra ideia em estudo é ampliar o intervalo dos reajustes anunciados pela Petrobras, que, atualmente, não têm periodicidade definida.

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)
MAISACESSADAS