plus
plus

Edição do dia

Leia a edição completa grátis
Edição do Dia
Previsão do Tempo 33°
cotação atual R$


home
ACONTECEU OUTRA VEZ!

Sobrevivente da enchente de 41 deixa casa novamente em POA

Alfredo de Souza Lima sobreviveu à enchente de 1941, a maior até então na cidade de Porto Alegre. Ele tinha apenas 15 anos. Agora precisou deixar sua casa novamente

twitter Google News
Imagem ilustrativa da notícia Sobrevivente da enchente de 41 deixa casa novamente em POA camera Assim como em 1941, a cheia do Rio Guaíba ocorreu em maio, um mês considerado incomum para esse tipo de evento climático. | Reprodução/TV Globo

Alfredo de Souza Lima, 98 anos, testemunhou uma vasta gama de eventos ao longo de sua longa vida. Desde a bomba atômica em Hiroshima e Nagasaki até guerras mundiais, a Guerra Fria, a ditadura militar no Brasil e o holocausto, momentos marcantes do último século.

Morador de Porto Alegre, ele sobreviveu à enchente de 1941, quando sua casa foi alagada pela primeira vez. Agora, em maio de 2024, ele enfrenta uma situação semelhante à vivida quando tinha apenas 15 anos: a pior enchente da história da capital gaúcha, obrigando-o a deixar sua casa novamente.

Assim como em 1941, a cheia do Rio Guaíba ocorreu em maio, um mês considerado incomum para esse tipo de evento climático. Naquela época, o rio atingiu a marca de 4,76 metros, causando grandes estragos, como desalojamento e desabrigo de pessoas, embora com poucas mortes. Este ano, no entanto, o rio ultrapassou os 5,33 metros, com 107 mortes já confirmadas até o momento.

"Naquela época, a água subiu lentamente. Foi subindo gradualmente. Não houve tantas mortes como agora. Pelo que me lembro, houve apenas uma pessoa eletrocutada que caiu na água", disse o idoso em entrevista à TV Globo.

83 anos depois...

Esta semana, Alfredo precisou deixar sua casa novamente e se abrigar com a filha em outra residência, no bairro Bom Jesus, na Zona Norte de Porto Alegre.

Na enchente de 1941, ele ficou na casa de um irmão e de amigos até que o período de chuvas passasse. Naquela época, segundo ele, a água subiu gradualmente, ao contrário do que foi registrado nos últimos dias, onde a força da natureza não deu chance para muitas pessoas escaparem.

Quer mais notícias do Brasil? acesse o nosso canal no WhatsApp

Segundo o professor Fernando Dornelles, do Instituto de Pesquisas Hidráulicas da UFRGS, na época, 24 dias consecutivos de chuva nas bacias que drenam para o Guaíba causaram a enchente. Este ano, apenas quatro dias de chuva no Rio Grande do Sul ultrapassaram a cota de inundação na capital.

Quando perguntado se temia passar por um evento histórico como o de 1941 novamente, Alfredo expressou preocupação, especialmente porque já havia morado em Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre, e viu os temporais afetarem também esse município.

Durante a cheia deste mês, ele estava no bairro Navegantes, na Zona Norte, na casa da filha, quando percebeu a água subir rapidamente. Ambos foram resgatados de barco. Outros familiares espalhados pela cidade também enfrentaram situações semelhantes e foram levados para outros municípios.

Afetados em 41

Em 1941, cerca de 15 mil pessoas foram afetadas, resultando no deslocamento de 70 mil, em uma época em que a população da capital era de cerca de 272 mil habitantes. Um terço das indústrias e do comércio ficaram inundados.

Naquele período, além da intensidade das chuvas, um vento sudoeste, de acordo com estudos, teria represado as águas da Lagoa dos Patos e as direcionado para o Guaíba, contribuindo para a inundação. Uma dinâmica semelhante está ocorrendo agora.

Os danos causados pelo temporal levaram à construção do Muro da Mauá, no Centro Histórico de Porto Alegre. A construção, realizada entre 1971 e 1974, possui três metros abaixo do solo e três acima, cobrindo 2.647 metros de extensão. Esse muro é parte de um sistema antienchente, que inclui diques e comportas.

Tragédia de 2024

Os temporais que assolaram o estado do Rio Grande do Sul desde segunda-feira (29) resultaram em 107 mortes, conforme boletim divulgado nesta quinta-feira pela Defesa Civil. O órgão também informa que há um óbito em investigação. O número de feridos chega a 374, enquanto 136 pessoas estão desaparecidas.

A Defesa Civil do estado contabiliza mais de 164,5 mil pessoas deslocadas e 67,5 mil abrigadas. No total, 425 dos 496 municípios do estado enfrentaram algum tipo de problema, afetando cerca de 1,5 milhão de pessoas.

VEM SEGUIR OS CANAIS DO DOL!

Seja sempre o primeiro a ficar bem informado, entre no nosso canal de notícias no WhatsApp e Telegram. Para mais informações sobre os canais do WhatsApp e seguir outros canais do DOL. Acesse: dol.com.br/n/828815.

tags

Quer receber mais notícias como essa?

Cadastre seu email e comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)

plus

    Mais em Notícias Brasil

    Leia mais notícias de Notícias Brasil. Clique aqui!

    Últimas Notícias