Diário Online
Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$
JUSTIÇA ELEITORAL APURA

Candidato Antoniel Miranda é investigado por compra de votos em campanha de Igarapé-Miri

Ministério Público também apura denúncias de abuso de poder religioso no município

quinta-feira, 05/11/2020, 16:42 - Atualizado em 05/11/2020, 16:42 - Autor: DOL


Imagem (à direita) mostra ação eleitoral em posto de combustível de Igarapé-Miri realizada pela chapa de Antoniel Miranda (à esquerda)
Imagem (à direita) mostra ação eleitoral em posto de combustível de Igarapé-Miri realizada pela chapa de Antoniel Miranda (à esquerda) | Reprodução

A chapa composta pelo candidato a prefeito de Igarapé-Miri, nordeste paraense, Antoniel Miranda e pela candidata a vice-prefeita, Carmozinha, está sendo investigada pela Justiça eleitoral por suspeita de abuso do poder econômico e compra de voto. Uma operação de busca e apreensão foi realizada em postos de combustíveis da cidade para averiguar as acusações. 

Relatório indica rombo milionário na gestão do vice-prefeito Antoniel Miranda

Antoniel Miranda descumpre decisão da Justiça para sair da prefeitura de Igarapé-Miri

Carro de luxo de ex-prefeito de Igarapé-Miri pertence a empresa que ele negou ser dono

A investigação foi solicitada pelo promotor eleitoral Nadilson Portilho, do Ministério Público do Pará, após denúncia de que houve distribuição aleatória de combustível em postos de Igarapé-Miri, no último dia 24 de outubro, durante um evento eleitoral realizado por Antoniel Miranda e pela vice Carmozinha. 

O juiz eleitoral Arnaldo José Pedrosa decidiu, então, pelo cumprimento dos mandados de busca e apreensão de documentos relacionados às imagens de câmeras de segurança de três postos de combustível de Igarapé-Miri, das 11h às 17h, do dia 24 de outubro. 

Além disso, foi autorizada a busca e apreensão de notas fiscais emitidas nesses postos no mesmo horário e mesmo dia. 

Na decisão, o juiz destaca que a ação é necessária ao se considerar a “brevidade do período eleitoral aliada à possibilidade de desaparecimento de provas que se pretende produzir em eventual representação eleitoral por conduta vedada e captação ilícita de recursos de campanha”. 

ABUSO DE PODER RELIGIOSO

Além de abuso de poder econômico, o Ministério Público Eleitoral apura denúncias de que a chapa de Antoniel e de Carmozinha pratica abuso de poder religioso, usando influência de pastores da cidade para cooptar eleitores. 

Na véspera do evento que motivou as investigações, por exemplo, o pastor Josias de Souza, presidente da igreja evangélica Assembleia de Deus, a maior do município, enviou mensagens de áudio a grupos de WhatsApp, convocando os fiéis da congregação a participar do ato eleitoral de Antoniel e a votar no candidato. 

A distribuição aleatória de combustível, que é investigada pela justiça eleitoral, teria sido, inclusive, coordenada por uma das dirigentes da Assembleia de Deus em Igarapé-Miri. 

Segundo informações colhidas pelo Ministério Público, a coordenadora religiosa teria usado dinheiro em loja de conveniência anexa a um dos postos alvos da busca e apreensão, o que pode ser caracterizado como ato de “caixa-dois” de campanha (já que os pagamentos só devem ser efetivados por transferência ou cheque).  

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)
MAISACESSADAS