O Brasil teve uma queda de 6% no que diz respeito ao número de mortes violentas entre 2020 e 2021. Ou seja: homicídios, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e mortes cometidas pela polícia. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (28), pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Ao menos 21, das 27 capitais do país tiveram queda no número de mortes violentas. As capitais que registraram aumento nesse tipo de crime foram: Manaus (48,9%), Macapá (31,2%), Boa Vista (9,9%), Porto Velho (8,6%), Teresina (9,5%) e Salvador (3,4%).

PF deflagra Operação Lavagem de Ouro em nove estados

Vídeo: incêndio na Santa Casa deixa dois mortos em BH

Chama a atenção que, das seis, quatro estão no Norte, única região do país que teve aumento na violência no ano passado (9%). 
Belém, no entanto, está entre as cidades que registraram declínio no número de mortes violentas. Sendo assim um oposto ao cenário de 2018, em que a capital paraense era a cidade com mais mortes violentas no país. A taxa era de 77 assassinatos para cada cem mil habitantes. 

Leia também: 

Auxílio Brasil: veja quem recebe a parcela de junho hoje

O ranking das capitais do país pela taxa (mortes por 100 mil habitantes), mostra que Belém foi de 1ª à 16ª colocação, desde 2018. Número muito expressivo durante os últimos 4 anos. Macapá aparece na 1ª colocação e São Paulo na 27ª da listagem atual.

Veja o Ranking completo das cidades com mais mortes violentas no Brasil:

1. Macapá - 63,2

2. Salvador - 55,6

3. Manaus - 52,5

4. Teresina - 37,0

5. Boa Vista - 34,8

6. Fortaleza - 34,3

7. Recife - 33,1

8. Porto Velho - 32,4

9. Maceió - 29,8

10. Aracaju - 29,4

11. João Pessoa - 28,1

12. Natal - 24,0

13. Rio Branco - 23,1

14. São Luís - 22,8

15. Palmas - 22,3

16. Belém - 22,3

17. Vitória - 21,1

18. Porto Alegre - 20,0

19. Rio de Janeiro - 19,2

20. Curitiba - 16,7

21. Goiânia - 16,6

22. Campo Grande - 15,3

23. Distrito Federal - 11,2

24. Florianópolis - 10,8

25. Belo Horizonte - 10,8

26. Cuiabá - 10,6

27. São Paulo - 7,7

Trabalho ostensivo das forças de segurança mudaram a realidade de medo na capital paraense Foto: Agência Pará

Conteúdo Patrocinado

MAIS ACESSADAS