Diário Online
Edição do dia
Edição do dia
Leia a edição completa grátis
Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$
VIOLÊNCIA

Mãe e filha se esfaqueiam em briga por comida em MG

Mãe e filha foram socorridas por uma equipe SAMU e levadas ao Hospital onde ficaram internadas sob escolta policial.

sexta-feira, 06/05/2022, 08:35 - Atualizado em 06/05/2022, 09:50 - Autor: Com informações Istoé

Google News

A arma do crime não foi localizada pelos policiais.
A arma do crime não foi localizada pelos policiais. | Reprodução

A fome no Brasil avança e atinge, em dois anos, mais nove milhões de pessoas. O levantamento foi feito pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan) indica que no total 19,1 milhões de cidadãos se enquadram neste perfil, ou 9% da população brasileira.

O estudo foi realizado em dezembro do ano passado, em 2.180 domicílios das cinco regiões do Brasil, tanto em áreas urbanas como rurais. A entidade também concluiu que, com a pandemia da Covid-19, cerca de 116,8 milhões estão em algum grau de insegurança alimentar — leve, moderado ou grave.

Essa semana, uma briga em família por causa de alimento quase acaba em tragédia no Aglomerado Sumaré, em Belo Horizonte (MG). Uma mulher, de 64 anos, e a filha, de 27, se esfaquearam durante uma discussão por causa de comida. O caso ocorreu no último sábado (30). 

A mãe relatou à Polícia Militar que estava em casa comendo um doce quando a filha chegou e disse que estava com fome. Nesse momento, teve início um desentendimento entre as duas. E durante a discussão, a jovem pegou uma faca para agredi-la. A mulher, então, conseguiu desarmar a moça e a feriu com dois golpes na região da cabeça.

A PM informou que a filha foi encontrada na rua com a cabeça ensanguentada e confusa. Então, a mãe chegou embriagada com ferimento na cabeça e informou aos agentes que teria sido esfaqueada pela moça.

Veja também:


A arma do crime não foi localizada pelos policiais. Mãe e filha foram socorridas por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e levadas ao Hospital Odilon Behrens, onde ficaram internadas sob escolta policial.

O caso foi registrado e é investigado pela Polícia Civil.

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)
MAISACESSADAS