Diário Online
Concursos
Concursos

Prova da Polícia teve 7 mil eliminados por falta

segunda-feira, 06/05/2013, 17:53 - Atualizado em 06/05/2013, 17:59 - Autor:

Google News

A Universidade do Estado do Pará (Uepa) aplicou neste domingo (5) a prova objetiva do concurso da Polícia Civil, para os cargos de delegado, escrivão, investigador e papiloscopista. Dos pouco mais de 23,6 mil inscritos, 7.560 já foram eliminados por falta.


Pela manhã foram aplicadas as provas para os cargos de investigador, escrivão ou papiloscopista, que exigem formação de nível superior em qualquer área, registrando 3.922 faltosos. À tarde, a prova foi destinada ao cargo de delegado, cujo requisito para participação é formação superior em direito, tendo 3.638 ausências.


Os candidatos tiveram quatro horas para responder a 50 questões objetivas de português, noções de informática e conhecimentos específicos do cargo desejado. No exame para delagado, a quantidade de questões era a mesma, mas os candidatos tiveram que responder ainda questões sobre atualidades, na parte de conhecimentos básicos.


De acordo com a organização do concurso, as provas foram tranquilas em Belém e em Altamira, Itaituba, Marabá, Redenção e Santarém, onde também foi aplicada a primeira fase da seleção. 


O delegado geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino, informou que não foram registradas ocorrências no certame. Ainda segundo ele, 40% dos inscritos ao cargo de delegado são de outros Estados da Federação, principalmente, Maranhão, Tocantins e Goiás.


“A prova estava bem distribuída, aprofundou bem mais em processo civil. Estava bem trabalhosa, mas ocorreu tudo bem, deu para fazer dentro do período estipulado. As questões de português e informática estavam bem fáceis. Então, no geral, foi muito bom”, avaliou Bruno Mesquita, candidato que veio de Alagoas para concorrer a uma vaga para delegado.


PONTUAÇÃO


Será considerado classificado na prova objetiva e apto para a fase seguinte o candidato ao cargo de investigador que estiver entre as 750 melhores pontuações. O mesmo vale para escrivão. Para papiloscopista, será classificado o candidato que estiver entre as 60 melhores pontuações. Já para o cargo de delegado, serão classificados os candidatos com as 450 melhores pontuações.


Entre as pessoas com deficiência, serão classificados os candidatos que estiverem entre as 39 melhores pontuações aos cargos de investigador e escrivão; três melhores ao cargo de papiloscopista; e 24 melhores para delegado. Em todos os cargos e situações, serão respeitados os empates de quem tiver nota idêntica na última colocação e não obtiver nota inferior a 7 na pontuação total da prova objetiva.


Na primeira etapa do concurso, os candidatos passarão ainda por prova de capacitação física, exames médicos e psicológico, teste oral e de investigação criminal e social. Todas têm caráter eliminatório. A segunda etapa corresponde ao curso técnico profissional, de caráter eliminatório e classificatório, de responsabilidade da Polícia Civil, a ser ministrado pela Academia de Polícia Civil/ Instituto de Ensino de Segurança Pública (Iesp), em Marituba, região metropolitana de Belém.


Das 670 vagas ofertadas pela Polícia Civil, 150 são para delegado, 250 para investigador, 250 para escrivão e 20 papiloscopista. O cargo de delegado prevê remuneração inicial, incluindo as gratificações, de R$ 7.695,02. Para os demais cargos, o salário inicial é de R$ 3.098,79, com as gratificações.


A previsão do delegado geral é que, até o fim do ano, o processo de formação destes novos policiais já esteja concluído.


(DOL, com informações da Agência Pará)

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS