DENÚNCIAS

Erra y erra: três mulheres acusam Prior de estupro e tentativa de estupro

sexta-feira, 03/04/2020, 13:01 - Atualizado em 03/04/2020, 13:01 - Autor: Com informações da Marie Claire


Imagem ilustrativa da notícia: Erra y erra: três mulheres acusam Prior de estupro e tentativa de estupro
| Reprodução

Uma grande polêmica envolveu o nome do ex-BBB Felipe Prior. Uma reportagem da Revista Marie Claire, divulgada nesta sexta-feira (3), traz à tona um passado supostamente criminoso do brother. Prior é acusado de abusar sexualmente de duas mulheres. Outra mulher alegou ter sofrido tentativa de estupro pelo rapaz. 

A revista teve acesso a documentos que comprovariam as acusações das vítimas, que tiveram as identidades preservadas. Procurada, a assessoria do ex-participante do BBB 20 se negou a comentar sobre a reportagem. 

De acordo com os documentos, o primeiro caso de estupro teria ocorrido em agosto de 2014, durante os jogos universitários das faculdades de arquitetura e urbanismo de São Paulo (InterFAU). A jovem, que estava visivelmente alcoolizada, teria aceitado uma carona do rapaz. Durante o caminho, ele parou o carro e praticou o estupro do banco de trás do veículo. Com a penetração forçada, a jovem sangrou e precisou ser levada a um hospital. Quando chegou à unidade de saúde, a vítima não relatou o motivo da lesão, mas um laudo comprova uma laceração em seu lábio vaginal.

“Tudo para mim se resume a uma grande agonia no peito. Simplesmente coloquei a violência que sofri debaixo do tapete por seis anos. Achei que não lidando com ela, sumiria em mim. Atrasei dois anos da minha faculdade por causa do estupro. Tranquei todas as matérias do curso porque vê-lo todos dias era torturante. Ele é um cara impulsivo, agressivo. O que mostrou no BBB não chega perto do que é na vida real”, disse a jovem.

Comportamentos machistas de paraense e amigos no BBB 20 provocam reações e reflexões

Babu se nega a votar em Thelma e é chamado de idiota por Prior
Uma tentativa de estupro ocorreu durante a InterFAU. A vítima relata que Prior teria a persuadido a entrar em uma barraca, mas como não havia preservativo, ela negou o sexo. Após a negativa, o ex-brother teria tentado forçar a relação usando a força, mas a jovem conseguiu se desvenciliar. Após o início do BBB, ela conseguiu contato com a primeira vítima e as duas decidiram agir. 

Já o outro caso de estupro ocorreu em 2018, também durante da InterFAU. A vítima alegou que a relação começou de maneira consentida, porém, durante o ato, Prior teria ficado violento e começou a agredir a vítima. Os dois estavam em uma barraca e testemunhas relataram ter ouvido gritos de "para" e "está me machucando". 

Ao ser questionada sobre o assunto nas redes sociais, a InterFAU afirmou que vai se posicionar sobre as denúncias. “Temos ciência do que está acontecendo e nos pronunciaremos no momento certo”, escreveram no Twitter. 

“Esse trabalho começou no final de janeiro, a partir da conversa com a primeira vítima. Conforme tivemos informações sobre a existência de outras, percebemos que, para que os fatos fossem relatados com a devida profundidade e complexidade, teríamos que fazer uma investigação defensiva abrangente. E assim chegamos à segunda e à terceira vítimas e às demais testemunhas. Tivemos inclusive notícia de pelo menos uma outra, que acabou preferindo não depor”, explicou a advogada das vítimas. 

O crime de estupro consta no artigo 213 do Código Penal. Tipificado como crime hediondo tem pena de seis a 10 anos de reclusão, aumentada para oito a 12 se houver lesão corporal da vítima.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS