Diário Online
ORGULHOSA

Vídeo: Ana Karina deixa MasterChef Brasil dançando frevo

Médica saiu no 3º episódio em prova de donuts, mas fez questão de homenagear suas raízes nordestinas; leia a entrevista exclusiva

quinta-feira, 22/07/2021, 08:08 - Atualizado em 22/07/2021, 08:08 - Autor: Com informações de TV Band


Ana Karina dançou frevo ao se despedir do MasterChef
Ana Karina dançou frevo ao se despedir do MasterChef | Reprodução

Aos 40 anos, Ana Karina entrou no MasterChef Brasil imaginando que lidar com a timidez seria seu maior desafio na competição. Enganou-se. Acostumada a cozinhar em casa e com o tempo a seu favor, descobriu na cozinha do talent show que o difícil mesmo é lidar com a pressão de ter poucos minutos e nenhum planejamento prévio para executar as receitas. Na noite desta quarta-feira, 21, a pernambucana errou no preparo de donuts e, ao servir a massa ainda quente com buttercream, viu o recheio ser sugado pelo doce. Mesmo eliminada, a oftalmologista deixou o estúdio animada, cantando e dançando frevo.

Orgulhosa de suas raízes nordestinas, a expressão artística foi uma maneira de mostrar ao Brasil um pouco da cultura que, na cozinha, teve poucos episódios para apresentar. Em entrevista ao Band.com ela conta que em sua vida, a dança independe da timidez e foi simbólica no momento de despedida. “Eu quis homenagear a minha cultura e a minha terra. Sou muito orgulhosa dela e quis mostrar o conteúdo do pernambucano”, reflete.  

Da saída precoce, ela celebra poder ter preparado, no 2º episódio, um cuscuz que diz tanto de suas tradições. “Não fico triste, mas gostaria de ter mostrado mais regionalismo. [...] Quando fiz o cuscuz gostei muito porque é uma coisa que a gente come no dia a dia. Em casa, aproveitamos a receita do café da manhã ao almoço e sei que as pessoas vão se identificar com isso.” 

Foi o cuscuz servido com alcatra que marcou a primeira participação de Ana Karina na 8ª temporada do programa. Após ficar no mezanino no episódio de estreia, ela entrou na cozinha na segunda semana e cozinhou carne sem nem mesmo provar o prato, já que retirou a proteína do cardápio há quase 6 anos. Na disputa, fez tudo por olho e com as memórias que restaram do passado, mas acabou ficando na média e sendo salva por Daphne, que foi a melhor da noite, e a levou ao mezanino.  

Na ocasião, se sentiu aliviada: “Estava nervosa e ansiosa, precisava de um tempo para me acalmar e conseguir focar na comida. Me ralei, me queimei... Achei bom ter sido salva porque estava exausta mentalmente e fisicamente. Foi bom para organizar a minha cabeça”. Embora com boas relações, as amizades não foram o suficiente para garantir que o mezanino salvasse a médica em disputa com Kelyn e Juliana N.  

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS