Esporte / Mundo
É BRONZE

Cargnin conquista segunda medalha brasileira em Tóquio

Larissa Pimenta competiu na categoria até 52kg, mas caiu nas oitavas de final para a líder do ranking mundial, Uta Abe, dando adeus à disputa olímpica

domingo, 25/07/2021, 07:43 - Atualizado em 25/07/2021, 07:43 - Autor: FOLHAPRESS


Imagem ilustrativa da notícia: Cargnin conquista segunda medalha brasileira em Tóquio
| Reprodução

O Brasil conquistou sua segunda medalha nos Jogos de Tóquio. O bronze no judô veio do estreante Daniel Cargnin, na categoria até 66kg. Na trajetória até a semifinal, o gaúcho eliminou o egípcio Abdelmawgoud, o moldávo Mdavieru, o italiano Lombardo, mas foi derrotado por Hifumi Abe. O judoca gaúcho saiu de cabeça erguida, pois venceu o israelense Shmailov e garantiu a 23ª medalha verde-amarela na modalidade. A madrugada brasileira e manhã japonesa ainda teve Larissa Pimenta, nos 52kg. Na primeira fase, a paulista superou a polonesa Agata Perenc, mas caiu nas oitavas para a líder do ranking mundial, Uta Abe.

A estreia de Daniel Cargnin foi diante do egípcio Mohamed Abdelmawgoud, 19º no ranking. O brasileiro viu o adversário tomar as primeira iniciativas e depois receber uma punição leve. Os judocas não conseguiram aplicar boas investidas e a luta caminhou para o golden score. E logo no início do tempo extra, Daniel foi rápido e cirúrgico: aplicou um ippon e garantiu a vaga às oitavas de final.

Para avançar às quartas de final e garantir, no mínimo, o direito de disputar a repescagem, Daniel Cargnin precisou superar o moldávo Denis Mdavieru, 15º no ranking da Federação Internacional de Judô. Embalado pela primeira vitória, o brasileiro buscou o contato, mas o adversário estava atento. Novamente, o gaúcho precisou do tempo extra para aplicar um waza-ari e avançar de fase mais uma vez.

Confiante, nas quartas de final, o adversário foi um velho conhecido, o líder do ranking mundial, Manuel Lombardo. Em 2019, Cargnin enfrentou o italiano em solo candango, no Grand Slam de Brasília. Na ocasião, mesmo com uma costela quebrada, o brasileiro superou o adversário e conquistou o título. Tóquio 2020 colocou os dois frente a frente novamente. O gaúcho tentou impor o seu ritmo, mas o número um do mundo se defendia bem. Com os dois judocas punidos, parecia que a luta caminharia para o tempo extra, porém, nos instantes finais, Daniel encaixou um waza-ari e levou o Brasil às semifinais.

Mirando o pódio e a grande decisão, nas semifinais Cargnin encarou Hifumi Abe, irmão de Uta Abe, que eliminou Larissa Pimenta. Era a chance não só garantir a vaga na disputa pelo ouro, mas também de “vingar” a compatriota. A luta começou truncada, como esperado, contudo, o japonês assumiu o controle e aplicou um ippon, adiando o sonho do primeiro ouro brasileiro nos Jogos Olímpicos.

Na luta pelo bronze, Cargnin enfrentou o israelense Baruch Shmailov. O brasileiro iniciou o combate buscando uma entrada para garantir o triunfo. Na defensiva, Shmailov recebeu uma punição e, na sequência, o judoca gaúcho aplicou um waza-ari e faltando pouco mais de dois minutos, ficou em vantagem. O tempo era amigo do brazuca, que administrou bem o resultado e conquistou o bronze olímpico e a 23ª medalha do Brasil na modalidade nos Jogos. 

Larissa Pimenta vence a primeira luta, mas na sequência para favorita

O primeiro desafio de Larissa Pimenta em Tóquio foi duro. A brasileira esteve frente a frente com a polonesa Agata Perenc, 24ª do ranking mundial. Foi um tempo regulamentar de extremo equilíbrio. As judocas buscavam o contato, mas sem êxito para concluir em golpe. Com duas punições cada, a luta ganhou ares de nervosismo, pois uma novo shido para qualquer lado resultaria na derrota e fim do sonho olímpico. E depois de quatro minutos de muita tensão e apreensão, a paulista aplicou um waza-ari, carimbou a vaga às oitavas.

Sem moleza no chaveamento, a segunda luta de Larissa Pimenta foi contra a japonesa Uta Abe, bicampeã mundial e número três do mundo. A brasileira partiu para cima da adversária, mas não suportou os contra-ataques e ritmo intenso de uma das maiores judocas da atualidade. A dona da casa aplicou um waza-ari e saiu na frente. Na sequência, imobilizou a paulista, marcou um ippon e classificou-se às quartas de final.


Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS