Diário Online
Notícias / Notícias Brasil
CARESTIA

Bandeira extra da Aneel aumenta conta de luz em R$ 14,20

O anúncio foi feito pela Agência Nacional de Energia Elétrica nesta quarta-feira (1º).

terça-feira, 31/08/2021, 18:49 - Atualizado em 31/08/2021, 18:49 - Autor: FOLHAPRESS


Imagem ilustrativa da notícia: Bandeira extra da Aneel aumenta conta de luz em R$ 14,20
| Marcelo Camargo/Agência Brasil

Todo mês, ao chegar a fatura da conta de energia, os brasileiros sofrem com o valor. São constantes os aumentos. 

A partir desta quarta-feira (1º), entra em vigor uma nova bandeira tarifária da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) criada para fazer frente ao aumento dos custos decorrente do agravamento da crise hídrica. Chamada de "Escassez Hídrica", a nova bandeira custará R$ 14,20 a cada 100 kWh (quilowatt-hora) e irá até abril de 2022.

Segundo a agência, a nova bandeira vai gerar uma alta de 6,78% na conta de luz. Cidadãos de baixa renda beneficiados pela tarifa social não serão afetados pelas novas regras da Bandeira Tarifária, sendo mantido o valor atual.

Com a maior crise hídrica dos últimos 91 anos, as hidrelétricas perderam espaço na oferta, enquanto o governo se viu obrigado a acionar térmicas - fonte mais cara, cujo custo é repassado ao consumidor.

As bandeiras -verde, amarela e vermelha- constam da conta de luz e servem para indicar a necessidade de se reduzir o consumo. Caso contrário, o cliente paga mais.

O novo valor se deve aos custos de importação de energia e acionamento de usinas termelétricas, que já produzem a mais de R$ 2.000 o MWh (megawatt-hora). No período de setembro a novembro, o total desses custos será de R$ 13,2 bilhões, valores que precisam ser repassados para a tarifa.

Com a nova bandeira, o governo evitou reajustar em cerca de 50% a bandeira vermelha nível 2, que passaria de R$ 9,49 para cerca de R$ 14 durante esse período. Sem o reajuste, Jair Bolsonaro evita desgaste em sua popularidade.

Assessores do Palácio do Planalto avaliam que a adoção de um racionamento no momento prejudicaria ainda mais Jair Bolsonaro em sua campanha pela reeleição. O presidente vê sua popularidade despencar diante de medidas contra a pandemia e da degradação do cenário econômico.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS