Diário Online
Notícias / Notícias Brasil
HOMEM FALECEU

Professor injeta óleo de mamona pensando ser anabolizante

O rapaz teria aplicado ricina intramuscular nas duas coxas, que seria um produto a base de óleo de mamona, acreditando se tratar de anabolizante.

sábado, 04/12/2021, 16:21 - Atualizado em 04/12/2021, 16:20 - Autor: Com informações Istoé


 Gustavo Henrique Gonçalves, de 26 anos
Gustavo Henrique Gonçalves, de 26 anos | REPRODUÇÃO/ARQUIVO PESSOAL

A “ditadura do corpo perfeito”, pregada pela sociedade, tem se transformado em armadilha para aqueles que acreditam que a felicidade está em músculos grandes ou em corpos magros e sem gordura. Em busca da beleza escultural, homens e mulheres ingerem e injetam substâncias na expectativa de "milagres", mas esses produtos podem ser muito perigosos à saúde.

Essa semana, a Polícia Civil de Araçatuba abriu inquérito para investigar a morte do professor de matemática identificado como Gustavo Henrique Gonçalves, de 26 anos. Ele morreu depois de aplicar uma substância nas coxas pensando se tratar de anabolizantes. O sepultamento do rapaz aconteceu na tarde dessa sexta-feira (3).

O pai do jovem procurou a Central de Flagrantes na tarde de terça-feira (1) e contou aos investigadores que o filho foi atendido no Pronto-Socorro Municipal e depois teve que ser transferido para a Santa Casa por conta do agravamento do estado clínico.

Ainda segundo o registro policial, consta na guia de encaminhamento da unidade hospitalar que o rapaz teria aplicado ricina intramuscular nas duas coxas, que seria um produto à base de óleo de mamona, acreditando se tratar de anabolizante.

O diagnóstico inicial foi de intoxicação exógena e acidose metabólica grave por envenenamento. O quadro do paciente evoluiu para insuficiência respiratória, insuficiência renal aguda e choque séptico.

Veja também!


De acordo com o hospital, o jovem morreu por volta das 13h30 de quarta. O corpo foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) e passou por exame necroscópico. O laudo deverá ficar pronto em até 30 dias. O caso foi registrado como morte suspeita e um inquérito foi aberto para dar andamento aos trabalhos investigativos das autoridades.
Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS