Diário Online
Notícias / Notícias Brasil
RIO DE JANEIRO

Polícia mata filho de Fernandinho Beira-Mar em operação

O filho "de consideração" de Fernandinho Beira-Mar era acusado de tráfico, assalto e latrocínio.

sexta-feira, 14/01/2022, 08:03 - Atualizado em 14/01/2022, 09:14 - Autor: Com informações do portal O Dia


Imagem ilustrativa da notícia: Polícia mata filho de Fernandinho Beira-Mar em operação
| Reprodução

Na última quinta-feira (13), a Polícia Civil realizou a Operação Casmurro para o cumprimento de 24 mandados de prisão preventiva, três mandados de prisão temporária e 27 mandados de busca e apreensão, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

A ação fazia parte da investigação  de crimes de tráfico de drogas e associação para fins de tráfico na comunidade do Parque das Missões e em outras comunidades que formam o complexo Beira-Mar, no município. A operação resultou em sete suspeitos presos e três mortos em confronto. Além disso, foram apreendidas armas e drogas.

Um dos mortos durante a operação Casmurro é Lindomar Gregório de Lucena, o Babuíno ou Paraguaio, 36 anos, filho de consideração de Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. Babuíno estava foragido e tinha envolvimento com o tráfico, além de ser acusado por latrocínio e assalto. Ele é apontado pela polícia como o principal responsável pelos maiores roubos de cargas na Capital e região metropolitana e extorsão das empresas de logística de Duque de Caxias.

Já Luiz Paulo Santos Oliveira, conhecido como LP, foi um dos presos durante a ação. Ele é o responsável por toda a parte financeira das favelas controladas por Fernandinho Beira-Mar. Outro preso é o traficante conhecido como Piriquito, apontado como o "braço de guerra" de Beira-Mar. A polícia prendeu ainda o irmão de Babuíno, conhecido como 'Zé Galinha'. Ele é chefe do tráfico de algumas favelas em Duque de Caxias.

Além das prisões, foram apreendidos três fuzis, pistola, carregadores, artefatos explosivos e drogas (ainda sendo contabilizadas).

Por sua localização privilegiada, a comunidade funciona como um grande entreposto para a Facção Comando Vermelho. O tráfico de drogas e armas no Parque das Missões vem sendo investigado e monitorado há quase dois anos pela Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE). 

"Essa é uma investigação que começou em 2020 com o objetivo de desvendar a prática criminosa que ocorria naquela região de Caxias, que é uma região estratégica  para esta facção criminosa, no sentido de ser um entreposto de distribuição de drogas e armas, pois facilita o escoamento. A ação culminou com a prisão das principais lideranças do narcotráfico. Um deles era um filho de consideração do Beira-Mar", Marcus Amim, delegado titular da DRE.

Reduto de Fernandinho Beira-Mar

A região, segundo a polícia, funciona como verdadeiro reduto do traficante preso Fernandinho Beira- Mar, o qual é constantemente referenciado em postagens, homenagens, pichações e outros símbolos que carregam o acrograma “FBM” (Família Beira-Mar). O criminoso tem grande influência em toda área que margeia a Baía de Guanabara na região da Baixada Fluminense, principalmente nas comunidades Parque Duque, Vila Operária, Favela Beira-Mar (origem do seu apelido), dentre outras.

Durante as investigações, a polícia confirmou o grande armazenamento de drogas e poderio bélico da facção que faz uso, ostensivo e diuturno, de armas de grosso calibre, como modernos fuzis, granadas, pistolas, dentre outras armas. De acordo com a polícia, o armamento são utilizados para fazer oposição a organizações criminosas rivais e às forças de segurança pública, com policiais e criminosos mortos no curso das investigações.

A favela Parque das Missões estava sendo usada como base operacional pela facção Comando Vermelho para planejamento e execução de roubos de cargas, roubos de veículos, entreposto para distribuição de armas e drogas.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS