Diário Online
Notícias / Notícias Brasil
PRESOS EM OPERAÇÃO

Milton Ribeiro e pastores passam por audiência de custódia

Milton Ribeiro, ex-ministro da Educação do governo Bolsonaro, e os pastores Arilton Moura e Gilmar Santos serão ouvidos nesta quinta-feira (23), após operação que investiga suposto esquema de corrupção no MEC.

quinta-feira, 23/06/2022, 09:11 - Atualizado em 23/06/2022, 09:07 - Autor: Com informações do Metrópoles

Google News

Milton Ribeiro e pastores presos na manhã de quarta (22) passarão por audiência de custódia hoje (23).
Milton Ribeiro e pastores presos na manhã de quarta (22) passarão por audiência de custódia hoje (23). | Reprodução/TV Brasil

Os noticiários de todo o Brasil destacaram a prisão de um ex-ministro do governo de Jair Bolsonaro e pessoa de confiança do presidente. Milton Ribeiro e mais quatro pessoas, em sua maioria pastores evangélicos, foram detidos no âmbito da Operação Acesso Pago, executada pela Polícia Federal.

Nesta quinta-feira (23), um dia após as prisões, três dos cinco detidos passarão por audiência de custódia. O ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e o pastor Arilton Moura, ex-integrante dos governos de Ana Júlia Carepa (PT) e Simão Jatene (PSDB) no Pará, vão falar virtualmente. Já o pastor Gilmar Santos participará presencialmente, na 15ª Vara da Justiça Federal, em Brasília.

De acordo com informações da Justiça Federal, as audiências estão previstas para as 14h.

Veja também:

Pastor ligado a ex-ministro de Bolsonaro foi preso no Pará

Se a PF prendeu, tem um motivo, diz Bolsonaro sobre Ribeiro

Mais duas pessoas foram presas durante a ação: o ex-assessor do MEC e advogado, Luciano de Freitas Musse, e o ex-assessor da Prefeitura de Goiânia, Hélder Diego Bartolomeu. Eles foram presos preventivamente pela Polícia Federal na última quarta-feira (22). 

O juiz Renato Borelli, da 15ª Vara Federal de Brasília, havia negado o pedido da defesa do ex-ministro para que ele permanecesse preso em Santos e participasse da audiência de forma online. A PF, porém, teria argumentado não conseguir prover a logística necessária para o deslocamento para Brasília até às 14h, por esta razão, o ex-ministro participará da audiência por videoconferência.

No mandado de prisão, ao qual o colunista Igor Gadelha, do portal Metrópoles, teve acesso, Borelli cita os crimes de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência para justificar a prisão de Milton Ribeiro.

Os crimes estão relacionados a um suposto esquema de corrupção envolvendo pastores evangélicos e distribuição de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), ligado ao MEC, durante a gestão do ex-ministro do governo Bolsonaro à frente da pasta. 

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS