plus

Edição do dia

Leia a edição completa grátis
Previsão do Tempo 30°
cotação atual R$


home
EXCLUÍDO

Polícia investiga se criança foi vítima de racismo em escola

Pais da criança de sete anos acusam a escola de omissão e negligência

Imagem ilustrativa da notícia Polícia investiga se criança foi vítima de racismo em escola camera Fundação Instituto Tecnológico de Osasco (Fito) | Reprodução

Pais de um aluno de sete anos da Fundação Instituto Tecnológico de Osasco (Fito), instituição particular localizada no Jardim das Flores, em Osasco, acusam a escola de omissão e negligência em episódios nos quais o filho teria sido vítima de racismo. Em nota, o colégio diz repudiar qualquer conduta discriminatória e afirma que apura o caso.

A família diz que os problemas começaram no início do ano letivo, quando a criança ingressou no colégio. Os pais afirmam que o filho vinha sendo isolado dos colegas e que a professora afirmava que ele tem problemas psicológicos e de aprendizado.

Segundo a mãe da criança, o menino relatava não ter companhia para brincar ou fazer trabalhos e dizia que os alunos brancos "não eram legais" com ele. Ela classifica o caso como racismo estrutural.

Após as alegações da professora -que havia dito, por exemplo, que a criança tem TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade)-, os pais do garoto contrataram uma psicóloga para avaliar o comportamento dele. No laudo, segundo os pais, a profissional diz que o menino não possui nenhum problema e afirma que ele é excluído na escola.

A mãe denunciou o caso nas redes sociais no início de novembro e tirou o filho da escola. Segundo ela, a criança vem recebendo aulas particulares em casa.

A família também levou o caso à polícia. Uma denúncia foi registrada no dia 13 de novembro no Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) e encaminhada ao 1° DP de Osasco, onde o caso é investigado sob sigilo. A SSP (Secretaria da Segurança Pública) afirma que diligências estão em andamento para esclarecer os fatos.

A Secretaria de Educação de Osasco, com quem a escola tem um convênio, afirma que a direção do colégio afastou a professora e a coordenadora denunciadas até que seja realizada uma sindicância interna. Vídeos gravados nas salas de aula e nas áreas de convivência, por exemplo, serão analisados.

Em um depoimento publicado nas redes sociais, o pai do menino diz que a experiência no colégio prejudicou a autoestima do filho. "Ele se sente preterido de tudo, ele se questiona em relação à cor dele, diz que não quer estudar em um colégio de branco porque nenhum branco gosta dele", afirmou no post. A reportagem não divulga o nome dos pais para preservar a identidade da criança.

A mãe conta que o filho relatava que, quando a professora perguntava quem queria fazer o trabalho com ele, ninguém queria. Ela diz que chegou a questionar o filho se a professora não tentava reverter o cenário, e o garoto respondeu que não. A mãe afirma, ainda, que por diversas vezes ouviu o filho dizer que fazia as atividades sozinho e que quando realizava tarefas com outros colegas os mesmos não o deixavam falar.

Em post publicado no dia 10 de novembro, a direção disse estar consternada.

"A fundação repudia veementemente qualquer ato de racismo ou conduta discriminatória em nossa escola e reforça o seu compromisso em combater com todo rigor qualquer suspeita ou indício deste tipo de conduta", disse.

O colégio afirma, ainda, que os pais da criança foram chamados para uma reunião.

"A direção pretende acolher os pais e colocar psicólogos à disposição. A direção da unidade não compactua com comportamentos de exclusão. Ao contrário disso, atua pela integração de seus estudantes, professores e demais funcionários."

A mãe afirma que a escola é reconhecida na região em que ela mora e que os irmãos do seu filho mais novo também estudam lá. Por isso decidiu matricular o garoto na instituição.

Este não é o primeiro caso de racismo na escola. No ano passado, uma sobrinha da mãe estava saindo do colégio quando alunos começaram a imitar sons e gestos de macaco. O caso foi registrado em um boletim de ocorrência, ao qual a reportagem teve acesso.

Ela afirma que agora vai buscar um colégio que promova uma educação antirracista, ainda que seja fora de Osasco. "Vou levar mais tempo para levá-los para a escola, vou ter que mudar toda a logística de casa. Não tem o que fazer."

Segundo ela, o objetivo ao expor o caso é tentar evitar que situações como essa se repitam.

"As crianças não têm culpa [de promover isolamento], quem tem culpa é quem está à frente de um cargo e não consegue ter a capacidade de entender que é preciso dar letramento racial a essas crianças."

VEM SEGUIR OS CANAIS DO DOL!

Seja sempre o primeiro a ficar bem informado, entre no nosso canal de notícias no WhatsApp e Telegram. Para mais informações sobre os canais do WhatsApp e seguir outros canais do DOL. Acesse: dol.com.br/n/828815.

tags

Quer receber mais notícias como essa?

Cadastre seu email e comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)

plus

Mais em Notícias Brasil

Leia mais notícias de Notícias Brasil. Clique aqui!

Últimas Notícias