Notícias / Notícias Pará
PARECER

PMs agiram em legítima defesa contra homem em surto psicótico em Belém, diz MP

De acordo com ele, a Guarda Universitária agiu em legítima defesa de terceiro ou seja não há crime

quarta-feira, 13/01/2021, 12:21 - Atualizado em 13/01/2021, 12:21 - Autor: Diário Online


A ação aconteceu na última segunda-feira (11)
A ação aconteceu na última segunda-feira (11) | Reprodução

O Promotor de Justiça Militar (PJM) Armando Brasil, concedeu um parecer inicial sobre o caso dos policiais militares que mataram um homem que estava em surto psicótico, no bairro do Tenoné, em Belém e atacou uma guarnição da Polícia Militar. O caso aconteceu na última segunda-feira (11) e para Brasil, os agentes agiram em legítima defesa. 

De acordo com o PJM, um inquérito junto à corregedoria da PM será requisitado a fim de apurar a conduta dos demais integrantes que permitiram que o Cabo Vilhena fosse agredido. O homem agrediu o militar com uma barra de ferro.

Cenas fortes: vídeo mostra momento em que envolvidos na morte de torcedor em Belém são executados

Durante a ação, o homem ataca a equipe com o objeto e no momento em que o agente cai no chão desfere diversos golpes com a barra de ferro na cabeça do policial. 

 

Armando Brasil, Promotor de Justiça Militar
Armando Brasil, Promotor de Justiça Militar | Maycon Nunes/Arquivo
 

Ainda segundo o promotor, "a guarnição da PM tem por filosofia resguardar a integridade recíproca para que eles possam dar segurança à sociedade. E sobre a morte do homem, a guarnição agiu em legítima defesa de terceiro, ou seja, não há crime".

Festa com adolescentes seminuas é denunciada na Grande Belém e organizador é identificado 

Em relação a forma em que a ocorrência foi conduzida, o promotor esclareceu que "o procedimento de uso de bala de borracha está correto, contudo, como não surtiu o efeito necessário, eles tinham que usar armas letais para não permitir a agressão ao PM.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS