Notícias / Notícias Pará
CRONOGRAMA

Idosos de 80 a 82 anos serão os próximos a serem vacinados em Belém

Segundo previsão da Prefeitura, quem nasceu nos anos de 1939 e 40 serão imunizados na semana que vem. Novo lote de vacinas chegou na quinta

sábado, 27/02/2021, 08:03 - Atualizado em 27/02/2021, 08:16 - Autor: Alexandra Cavalcanti/Diário Pará


Ontem, encerrou com tranquilidade a imunização dos idosos com 85 anos na capital
Ontem, encerrou com tranquilidade a imunização dos idosos com 85 anos na capital | IRENE ALMEIDA

O terceiro e último dia da segunda dose de imunização contra o coronavírus para idosos com 85 anos ou mais ocorreu de forma tranquila na capital, ontem (26). A próxima etapa da imunização contra a covid-19 deverá abranger idosos nascidos nos anos de 1939 e 1940. A Prefeitura de Belém informou ainda que recebeu, na última quinta-feira (25), 21.140 novas doses da vacina contra a Covid-19, sendo 12.980 da CoronaVac e 8.160 da Oxford/AstraZeneca.

Essa é a quarta remessa de vacina recebida pelo município, desde o mês de janeiro. Equipes da Sesma estão planejando uma nova ação, já na próxima semana, para utilizar a nova remessa. A faixa etária contemplada com as novas doses está sendo definida. Mas, segundo o Departamento de Vigilância à Saúde, os próximos vacinados devem ser aqueles com idade entre 81 e 82 anos e quem tem 80 e vai completar 81 ainda em 2021.

Nesta sexta-feira, na Aldeia Amazônica, o atendimento começou cedo, às 8h. Apesar de ter se formado uma pequena fila de carros, tanto os atendimentos no formato drive-thru como para quem chegava andando ocorreu sem muita espera. A expectativa da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma), por meio do Departamento de Vigilância à Saúde, é a de que 10 mil pessoas tenham sido vacinadas nos três dias, totalizando a imunização de 80% do público alvo desta etapa.

O diretor do Departamento, Cláudio Salgado fez uma avaliação positiva de mais essa etapa de vacinação. “Ocorreu tudo dentro do previsto e com tranquilidade. Conseguimos fazer com que as pessoas entendessem que existem vários pontos de vacinação espalhados pela cidade e que elas não precisam ir todas logo no primeiro dia pela manhã. Tanto assim, que no primeiro dia atendemos cerca de 4 mil pessoas e no segundo mais quatro mil, sendo o restante atendimentos feitos hoje (ontem), portanto a procura acabou ficando bem distribuída”, destacou.

Os idosos com dificuldades de locomoção que não puderam ir até os pontos de vacinação, foram vacinados em casa. “Já conseguimos imunizar cerca de 1.200 dos quase 2 mil cadastrados. Como conseguimos dobrar o número de pessoal e de casos, nossa expectativa é conseguir vacinar uma média de 100, 120 idosos nessa situação e concluir o atendimento dos cadastrados em mais cinco dias”, explicou.

Assim como ocorreu na etapa encerrada ontem, a próxima contará com os mesmos 14 pontos de vacinação. “Deu tudo certo nesses locais, sem aglomeração, por isso eles serão mantidos para a próxima. Caso seja confirmada a chegada de mais 1,5 milhão de vacinas para o Pará, teremos uma quantidade maior para Belém, por isso teremos que aumentar a quantidade de pontos para aumentar a nossa capacidade de atendimento por dia”, ressaltou.

Ele destacou que uma preocupação constante tem sido a de garantir vacina para todo o público alvo previsto em cada etapa. “Estamos tendo todo o cuidado com relação a isso para garantir que todas as pessoas do público alvo, que procuram os pontos de vacinação sejam imunizadas, por isso em nenhum momento tivemos que paralisar a vacinação aqui na capital”, avaliou.

DEDICAÇÃO

A aposentada Arlinda Rosário, de 84 anos (ela fará 85, ainda este ano) chegou cedo a Aldeia Amazônica para tomar a segunda dose da vacina. Moradora do bairro da Pedreira, ela chegou andando e sozinha ao local. “Sou uma pessoa muito ativa, faço atividades físicas regularmente, estava mais parada por causa da Covid. Mas agora vou me dedicar mais às minhas atividades, ao boxe e à dança, claro que com todo o cuidado, de máscara e respeitando o distanciamento”, disse.

Aos 88 anos, Luísa Oliveira foi acompanhada pela filha para tomar a segunda dose da vacina, no Cassazum, no bairro do Marco. Ela contou que estava feliz em receber mais uma dose. “Costumo fazer todas as minhas coisas dentro de casa, me sinto muito bem. Não saio muito de casa, mas quero poder voltar a dançar carimbó como fazia antes, claro que de máscara e com distanciamento, porque não posso me arriscar”, garantiu.

Quem por algum motivo não conseguiu se vacinar durante os três dias da campanha, o diretor orienta que procure os pontos de vacinação nas próximas etapas. “Agora, por exemplo, vacinamos pessoas com mais de 85 anos que estavam, por diversas razões, tomando a primeira dose ainda, e isso deve se repetir nas próximas etapas. O importante é conseguir vacinar o máximo de pessoas desse público alvo”, acrescentou.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS