Notícias / Notícias Pará
VIOLÊNCIA

Quase 5 mil mulheres foram vítimas de agressão em Belém em 2020, diz Ministério Público 

Os dados constam no relatório divulgado pelo órgão sobre agressões em Belém

quarta-feira, 10/03/2021, 18:40 - Atualizado em 10/03/2021, 18:40 - Autor: Ministério Público


Imagem ilustrativa da notícia: Quase 5 mil mulheres foram vítimas de agressão em Belém em 2020, diz Ministério Público 
| Reprodução/MPPA

A Promotoria de Justiça de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da capital do Ministério Público do Estado do Pará divulgou, nesta semana da mulher, um relatório sobre os atendimentos realizados a mulheres que sofreram violência no ano de 2020. Ao todo, 4.712 vítimas foram atendidas pela Promotoria. 

Os dados mostram que fatores como baixa renda, pouca escolaridade e filhos no relacionamento são comuns entre as vítimas de violência doméstica e os agressores. 

Cerca de 40% das mulheres afirmaram não ter renda nenhuma e 51% têm pelo menos um filho com companheiro violento. Além disso, um terço das vítimas e dos agressores não terminou o ensino fundamental. 

Acesse aqui o relatório completo

Nos atendimentos feitos pelo MP, mais da metade das vítimas contou que os episódios de violência eram frequentes e ocorreram durante o relacionamento atual. Já no caso dos agressores, 51% deles eram ex-companheiros das mulheres agredidas e somente 37% estavam em algum relacionamento com as vítimas. Os bairros com maiores incidências de casos de violência contra a mulher são: Jurunas, Guamá e Pedreira. Entretanto, caso de violência doméstica foram outros bairros também. 

Além de disponibilizar o relatório com dados anuais sobre a violência doméstica, a Promotoria de Justiça da Mulher também participou de uma reunião virtual com deputadas e com representantes de outros órgãos para discutir políticas públicas de enfrentamento a violência contra mulher. 

 “Quando as mulheres procuram a Promotoria de Justiça, elas querem um local que elas possam sair da casa do agressor e ficar com seus filhos. É preciso uma política pública que dê casa para as mulheres. Precisamos estimular os empresários com redução de impostos para que eles possam qualificar e empregar as vítimas, pois o empoderamento econômico é uma forma delas se livrarem da violência doméstica”, explicou. 

No evento online, o promotor de Justiça Franklin Prado falou sobre a importância de políticas públicas para dar habitação e fonte de renda às mulheres que sofreram violência, pois muitas delas dividem o mesmo teto com seus agressores devido à dependência financeira.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS