Diário Online
Notícias / Notícias Pará
EMOÇÃO

Mãe doa rim e salva a filha: “Dei a vida a ela duas vezes”

Agna e Adriana realizaram o transplante em março, no Hospital Regional do Baixo Amazonas, interior do Pará.

segunda-feira, 09/05/2022, 15:15 - Atualizado em 09/05/2022, 15:14 - Autor: Com informações da assessoria

Google News

Agna Lessa Assunção e a filha Adriana Almeida no hospital.
Agna Lessa Assunção e a filha Adriana Almeida no hospital. | Divulgação

Quando o amor de uma mãe é incondicional, ela se torna capaz de tudo, até mesmo de dar a vida pela segunda vez à mesma filha. Essa é história de Agna Lessa Assunção, de 36 anos, que após 20 anos do nascimento da única filha, Adriana Almeida, doou um rim para que a jovem pudesse recomeçar.

O transplante aconteceu no dia 22 de março, no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), unidade do Governo do Pará, localizada em Santarém, e gerenciada pela Pró-Saúde, uma das maiores entidades filantrópicas do país.

O hospital conta com um serviço completo na especialidade de nefrologia e desempenha um importante papel regional, atuando como referência para atendimentos de alta complexidade na região Amazônica do país.

Após a alta hospitalar, as duas celebraram este Dia das Mães de forma ainda mais especial. “Ela é minha única filha e tudo que mais amo. Eu fiz a doação, mas o presente que realmente importa é vê-la se recuperando”, enfatizou Agna. “Dei a vida a ela duas vezes”, contou emocionada, ao lembrar da convicção que sentiu ao decidir fazer o transplante.

Agna é natural de Oriximiná, interior paraense, onde atua como técnica em Enfermagem. “Quando você se depara com a realidade de uma pessoa no leito de hospital esperando um transplante renal para se libertar é dolorido”, relatou a mãe. “Se eu tivesse dez rins, todos eu doaria a minha filha. Eu seria capaz de ir para a máquina [de hemodiálise], só para dar a ela o outro rim. Amor de mãe é incomparável”, afirmou.

Adriana é portadora de lúpus, doença autoimune que ataca as estruturas saudáveis do próprio organismo, desde os 14 anos. Há cerca de um ano e meio, a jovem foi diagnosticada com doença renal crônica e, desde então, realizava regularmente sessões de hemodiálise – terapia em que uma máquina faz o trabalho de limpeza e filtragem do sangue, quando o rim não funciona corretamente.

“Realizava hemodiálise três vezes por semana. Eram quatro horas ligada à máquina e muitas vezes chegava em casa e passava mal, por ser um tratamento difícil”, compartilhou Adriana.

Após a indicação para realização do transplante, Adriana foi inserida na fila nacional para receber o órgão de um doador falecido. “Sabemos que isso pode demorar, por isso, alertamos a família sobre a possibilidade de doação entre pessoas vivas, onde geralmente encontramos compatibilidade entre os próprios familiares da paciente”, lembrou Emanuel Esposito, médico nefrologista e responsável pelo Serviço de Transplante do Hospital Regional do Baixo Amazonas.

“Foram realizadas todas as investigações e testes de compatibilidade, onde a mãe cumpriu todos os requisitos e foi confirmada como doadora viável. Realizamos a captação da mãe e transplantação na filha, em cirurgias que totalizaram cerca de oito horas e meia”, explicou Alberto Tolentino, cirurgião geral e urologista que chefiou o procedimento.

“Com esse rim saudável, estamos possibilitando que a Adriana retome suas funções renais, não precisando mais realizar as longas e difíceis sessões de hemodiálise”, enfatizou o nefrologista.

Desde 2012, o Regional do Baixo Amazonas realiza captação múltipla de órgãos. O procedimento realizado entre mãe e filha foi o 70º transplante do hospital, que realiza este tipo de procedimento desde 2016, quando foi habilitado pelo Ministério da Saúde para realizar o serviço na região.

“São 70 pessoas que tiveram uma nova oportunidade de viver, pois consideramos o transplante o segundo nascimento. O programa do HRBA, implantado pelo Governo do Pará, tem possibilitado essa nova chance”, destacou o diretor Hospitalar, Hebert Moreschi.

"Somos um hospital no interior do Pará rompendo todas as barreiras e preconceitos, executando um trabalho de excelência que salva vidas e atende os anseios da população", completou Emanuel.

*Uma nova vida*

Após oito dias de internação, Adriana recebeu alta do hospital no final de março e retornou para casa. Na saída, recebeu uma linda homenagem dos profissionais da unidade, que acompanham a sua luta e a fizeram questão de organizar um corredor de palmas.

“Agora é vida nova e esperanças renovadas. Agradeço a toda a equipe pelo acolhimento. É a minha nova chance, é minha oportunidade de viver melhor e eu consegui”, declarou a jovem.

Após melhora significativa e aceitação do órgão, Adriana segue em acompanhamento ambulatorial, realizando avaliações e exames periódicos, junto com a equipe assistencial do Hospital Regional do Baixo Amazonas. Além da questão renal, o transplante auxiliará no fortalecimento do seu organismo, e por consequência, o tratamento do lúpus – doença que não tem cura.

“Acreditamos que a doação de órgãos realmente é um ato de afeto. Que este gesto, uma verdadeira declaração de amor de uma mãe, seja estímulo para que tenhamos mais doações e mais vidas salvas”, destacou Hebert.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS