Diário Online
Edição do dia
Edição do dia
Leia a edição completa grátis
Previsão do Tempo
30°
cotação atual R$
R$ 600 MIL EM PREJUÍZOS

Com golpes no Pará, estelionatárias são presas em São Paulo

As acusadas conseguiram fugir do Pará no final de 2021 e estavam vivendo em São Paulo.

sexta-feira, 27/05/2022, 19:56 - Atualizado em 27/05/2022, 19:53 - Autor: Com informações da Polícia Civil

Google News

Imagem ilustrativa da notícia Com golpes no Pará, estelionatárias são presas em São Paulo
| Reprodução/Polícia Civil



Yonara de Albuquerque Carmuca e Christiane de Albuquerque Camurca foram presas por estelionato e associação criminosa, em São Paulo, em uma operação coordenada pela Diretoria de Polícia Metropolitana, 1ª seccional urbana da Sacramenta, em conjunto com o Departamento de Operações Policiais Estratégicas do Estado de São Paulo e do Grupo de Atuação Especial no Combate ao crime Organizado (GAECO-PA). O mandados de prisão foram cumpridos, nesta sexta-feira (27), em território paulista. 

Acusado de abusar de criança de 11 anos é preso no Guamá

As investigações começaram em conjunto entre a Polícia Civil do Estado do Pará, Polícia Civil do Estado de São Paulo e GAECO-PA, há cinco meses, após vários servidores estaduais que relataram terem sido enganados por duas estelionatárias, na grande Belém. 

As mulheres são acusadas de abrirem uma empresa de confecções denominada 'Giocconda Confecções', informando que quem investisse um grande valor financeiro na empresa, teria um retorno de 40% ao mês do seu investimento.

No entanto, as criminosas pegavam o dinheiro e não entregavam nenhum tipo de retorno financeiro às vítimas. Pelo contrário, sumiam com os valores que eram investidos.


Leia também: 

Traficante morre ao trocar tiros com a PM no Guamá

Segundo a Polícia, o prejuízo gira em torno de R$ 600 mil. Somente de uma das vítimas, as estelionatárias embolsaram o valor de R$ 150 mil. As acusadas conseguiram fugir do Pará no final de 2021 e estavam vivendo em São Paulo. 

As duas mulheres, já presas, serão reconduzidas ao estado do Pará, conforme decisão judicial. 


Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)
MAISACESSADAS