plus
plus

Edição do dia

Leia a edição completa grátis
Edição do Dia
Previsão do Tempo 33°
cotação atual R$


home
Vade retro, Satanás!

Exclusivo: entenda como funciona o ritual de exorcismo

Os rituais atravessam os séculos, mas especialistas advertem que nem tudo é obra do demônio. Discrição da Igreja em torno do tema segue recomendação do Vaticano, que pede sigilo total.

twitter Google News
Imagem ilustrativa da notícia Exclusivo: entenda como funciona o ritual de exorcismo camera Frei Ricardo Catete tem curso de exorcismo e já participou de rituais. | FOTO: ANTONIO MELO

A possessão de alguém pelo demônio faz parte do imaginário da humanidade desde sempre. O primeiro ritual de exorcismo mais antigo data de 1614, mas como falar em expulsar o capeta do corpo de alguém e não recordar do filme “O Exorcista (1973)”, clássico do Terror em que um padre promove o ritual para ajudar uma menina de 12 anos a se libertar do mal? A indústria cinematográfica, por sinal, até hoje aproveita o sucesso do longa e despeja inúmeros outros títulos sobre o assunto todos os anos. Mas, afinal, o diabo pode, realmente, se manifestar em alguém e ser expulso? A resposta é “sim”, segundo especialistas, ainda que a situação não seja tão comum quanto se pensa.

O assunto ainda é visto com bastante discrição pela Igreja Católica, que recomenda não transformar o ritual em espetáculo; não divulgar o exorcismo através dos meios de comunicação; consultar peritos em ciência médica e psiquiatra que tenham senso das coisas espirituais e ter cautela antes de classificar o ocorrido como possessão demoníaca.

CURSO

Frei Ricardo Catete, da Ordem dos Agostinianos Recoletos, mora em Buenos Aires, na Argentina, onde atua na igreja de San Andrés há cerca de dez anos. De férias em Belém com os familiares, o religioso ministra curso de exorcismo e participou de alguns desses rituais no país vizinho, na equipe do padre Cristian Cabrini, também fazendo alguns diagnósticos de possessão.“Todo bispo é exorcista, mas os sacerdotes que se interessam são convidados a fazer o curso em Roma. Fiz o curso em Buenos Aires. Em Roma dura dois meses com extensões de seis meses”, explica. “Fiz vários congressos também sobre o tema com padres exorcistas de toda a Argentina”.

Segundo o religioso, o exorcismo, na verdade, é um sacramental, “uma oração de libertação, dentro de um âmbito litúrgico, para a expulsão do demônio da vida da pessoa”, detalha sobre a questão na Igreja Católica. “A igreja é muito prudente antes de dizer que uma pessoa está possuída pelo demônio. Antes de dizer que é uma ação extraordinária do demônio, ela exclui todas as possibilidades naturais. Ela trabalha conjuntamente, com uma equipe da pastoral da consolação. É sempre importante ter na equipe um psicólogo, um psiquiatra, um neurologista e pessoas de fé que ajudem o sacerdote”.

Todos esses profissionais fazem uma avaliação conjunta do suposto possuído. “Depois da avaliação, se forem detectados sintomas que podem ser de uma possessão, aí se acompanha de uma forma diferente”, continua. Catete pontua que a possessão é a quinta das cinco manifestações do demônio (veja quadro). “É quando ele está definitivamente na vida da pessoa e exerce um poder sobre ela de forma incontrolável, aí ela precisa dessa expulsão”.

Para que o ritual seja feito, o bispo da Diocese precisa dar a autorização. “Uma vez avaliado pela equipe que essa pessoa precisa de exorcismo, o sacerdote licenciado pede autorização para o bispo, mostra os sinais, o resultado da investigação”, cita. “O sacerdote quando entrevista uma pessoa, só com um momento de oração profunda, de fé, ele pode perceber que existem sinais de coisas espirituais” segue Catete.

SINAIS

Os sinais podem ser os mais diversos. “A pessoa pode sentir ante uma oração calafrio, sentir vontade de cuspir, vomitar, parar a oração”, exemplifica. “Uma vez feito o diagnóstico, a pessoa tem que fazer alguns exames, descartar problemas psicológicos e psiquiátricos. É preciso esgotar as possibilidades”.

Com a confirmação da possessão, se agenda o ritual, composto de orações que podem se repetir em outras sessões. “Geralmente se faz dentro de uma igreja, com a equipe, o sacerdote paramentado, um lugar de oração. Fazemos uma oração de libertação, ela fica em um local cômodo, são várias leituras e orações de exorcismos”, conta.

“O ritual pode demorar em média 30 a 40 minutos, pode se fazer antes, durante ou depois da missa, depois de um rosário. Não é só um exorcismo, quem liberta a pessoa é Jesus e não o sacerdote”, ressalta o frei. “Já houve casos de uma pessoa necessitar de vários exorcismos ou ser acompanhada durante anos até ser libertada o que, na verdade, é Deus que liberta quando e na hora que Ele quer”.

CINEMA

Sobre as cenas aterrorizantes vistas nos filmes de exorcismos, frei Catete admite que, muitas vezes, conseguem expressar os estudos da demonologia. “Já vi um filme com algumas manifestações como os sinais de três toques, três coisas caindo. É uma afronta contra a Trindade. O demônio está brincando, profanando o sagrado”, descreve.

“O fato de fazer com que a pessoa busque a libertação, se aproxime da igreja, isso é verdade. Além disso, o fato de algumas imagens escandalizadas, as cabeças girando, são coisas mais extraordinárias, mas já aconteceram coisas que o demônio fez”, relata.

“Teve um caso no Vaticano, o jovem, no momento de seu nascimento, foi consagrado ao demônio por uma enfermeira, ela era do ocultismo”, ilustra. “Quando ele casou, nas núpcias, se transformou, era outra pessoa e teve uma manifestação demoníaca. Foi buscar ajuda no Vaticano. Aparecia o número 666 no corpo dele ao contrário. Os médicos, quando avaliaram isso, viram os sinais de alguém passando uma faca nele de dentro para fora”, detalha. “Nos exorcismos, ele vomitava ou defecava pedras que, analisadas por geólogos, foram determinadas que eram do mesmo lugar onde o sacerdote estava lendo a passagem de Jesus na tentação do deserto contra o demônio”, conclui, para em seguida tranquilizar que o rapaz conseguiu se libertar.

MISSA

Em missas de cura e libertação é comum que os sacerdotes façam orações de exorcismo. “Um sacerdote que está apto e tem a licença e autorização do bispo, pode realizar orações exorcistas”, informa frei Catete. “O ritual tem, na parte final, súplicas que o leigo pode fazer, como o exorcismo de São Bento. Essa é uma das orações mais antigas e uma das mais poderosas contra os demônios. Você não dialoga com ele, você tem que ordená-lo. E não é você que expulsa, mas Jesus”, ensina.

PORTA DE ENTRADA

Ainda segundo Catete, o demônio pode entrar de várias formas em alguém. “Por um pecado muito grande que se cometeu. Falta de perdão, a pessoa que se afasta da comunhão com Deus. Se a pessoa está em comunhão com Deus, não será atingida”, garante. “Outra porta são malefícios que as pessoas fazem, seitas diabólicas, pactos com o satanás. São portas que se abrem para ele. Mas a forma mais comum dele agir são as formas ordinárias, pecados, comportamentos…”.

POSSESSÃO

Na obra Ritual de Exorcismos e Outras Súplicas, os religiosos têm um guia de como proceder, explicações sobre a demonologia e como realizar o exorcismo. O livro, é claro, consta nos estudos de Ricardo Catete, que relata um dos casos que participou desde o diagnóstico da possessão, o ritual e o pós-ritual. “Ela era uma jovem de 19 anos. Quando chegou, apresentou uma aversão ao sagrado muito grande. Quando comecei a fazer oração nela, ela começou a xingar a imagem, não se podia segurá-la. Além da força, tinha olhos desnorteados, mas era só na hora da oração. Quando parava, ela não lembrava de nada”, descreve.

“Esse acompanhamento durou dois meses, depois se descobriu que o namorado dela entrou numa seita demoníaca e fez um pacto para ela nunca deixá-lo. Depois ela se recuperou”, pontua o religioso. “Ela foi melhorando, era uma pessoa onde o demônio se manifestava. Revelava coisas que ela não sabia, ela falava latim sem saber a língua. São indícios de que ela tinha uma manifestação extraordinária. Depois continuei acompanhando-a para que não voltasse a acontecer. Foi uma experiência maravilhosa”, admite. “É Interessante a pessoa buscar essa libertação, buscar a comunhão com Deus da forma que ela achar mais conveniente, buscar a sua paz”, recomenda o frei. (Com a colaboração de Maick Torres)

Todo bispo é exorcista, mas os sacerdotes que se interessam são convidados a fazer o curso em Roma. Fiz o curso em Buenos Aires. Em Roma dura dois meses com extensões de seis meses”

Apenas 3% dos casos são realmente possessão demoníaca

Na Diocese de Belém, o padre Jaime Pereira é estudioso da parapsicologia com cinco livros publicados sobre o tema, o último ainda no prelo: “Parapsicologia - Questionamentos e Respostas”. Aos 83 anos, o sacerdote conta que já presenciou inúmeros casos de supostas possessões demoníacas, mas garante que, apesar de assustadores, nunca chegou a se deparar com alguém realmente necessitado de um ritual de exorcismo.

“Infelizmente, hoje se fala muito de demônios e têm igrejas que até exageram um pouco. Isso não faz bem para o psicológico de pessoas sugestionáveis, sensíveis. Muitas vezes não se trata de demônio, a linha divisória entre possessão e doença psicológica é muito tênue, são coisas parecidas, mas não é a mesma coisa”, afirma.

Com base no Ritual de Ritual de Exorcismos e Outras Súplicas, o religioso destaca que a cada 100 casos, somente 3% são ações do demônio. “O resto são doenças psicológicas”, diz. “A Igreja não nega o exorcismo, é uma prática antiga, mas tem muito cuidado, nem sempre se trata disso”.

Segundo o padre, muitas vezes a pessoa surta e muda a própria identidade. “Aí a pessoa se assusta e acha que é coisa do demônio. O que se deve fazer é tirar essa pessoa do transe, voltar ao normal, e aí conversar, até fazer orações”, comenta. “Muitas vezes a pessoa está inconsciente, revoltada. Frequentemente as pessoas nesse transe se voltam contra Deus, contra imagens, objetos religiosos. E são pessoas boníssimas, não se deve dar muito peso, pois a pessoa não sabe o que está fazendo”.

Jaime Pereira lembra que, nos evangelhos, se conta que Jesus curava os doentes e endemoniados. “Doente era aquela pessoa que tinha sinais visíveis, como leprosos, aleijados. E endemoniados eram pessoas que tinham doenças imperceptíveis e hoje isso tem nome, esquizofrenia e outras coisas mais, depressão, epilepsia”, relata. “Muitas coisas se atribuíam ao demônio e hoje isso tem nome”.

O sacerdote minimiza ainda a importância que se dá ao “coisa ruim”. “O poder do demônio é limitado. Ele não escraviza ninguém como se fala, ele pode sugerir algum ato desonesto, pensamento de vingança, mas não somos obrigados a obedecer e podemos responder ‘não’ para ele”, recomenda. “Jesus foi tentado e dizia ‘não’. Podemos fazer a mesma coisa. Às vezes a pessoa faz a coisa errada por que não refletiu e bota a culpa no demônio”.

Sobre fenômenos inexplicáveis, padre Jaime critica a mania de se atribuir tudo ao tinhoso. “Nosso povo já está tão sofrido, ainda se faz isso. A maioria das vezes a ciência explica”, pontua.

Um dos exemplos de transe ou surto “fake” para possessão vivenciado por Jaime Pereira foi o de uma mulher acompanhada do marido. “Ela mudava a voz e dizia ‘ele não acredita, ele não acredita’, e o marido já andava com água benta na bolsa. E a própria mulher dizia onde era pra jogar a água”, relata. “Quando ela saiu do transe eu disse pro marido: ‘não é demônio, ele não pede água benta, ele foge da água benta”, completa. “Tem um método para tirar do transe, é a mesma técnica que se usa para tirar do sono hipnótico”, explica, sem entrar em detalhes, “para não estimular”.

“O sofrimento faz tudo isso. Pode ser por um contágio, a pessoa vê alguém entrar em transe e entra também. Outro motivo é o acúmulo de problemas não resolvidos que acaba em uma explosão. Apaga a mente consciente e começa a funcionar a mente inconsciente, prossegue. “Tenho muitas histórias, antes eu me apavorava, mas hoje para mim é tranquilo”.

José Antonio Mangoni é mestre em teologia e fala sobre o ministério do exorcismo.
📷 José Antonio Mangoni é mestre em teologia e fala sobre o ministério do exorcismo. |FOTO: DIVULGAÇÃO

Mas afinal, quando a prática é necessária?

Professor do Curso de Ciências da Religião da Universidade do Estado do Pará (Uepa) e de filosofia na Secretaria de Estado de Educação, José Antonio Mangoni é mestre em teologia e fala sobre o ministério do exorcismo.

P - O que é exorcismo?

R - A palavra Exorcismo, em sua etimologia, quer dizer tirar (Ex – para fora) orcus (um personagem mítico dos celtas, um demônio que vigiava as portas do inferno impedindo que as almas saíssem para o céu). Com o passar do tempo, exorcismo passa a significar expulsar (tirar para fora) o demônio. Diria que a prática do exorcismo é a interpretação, por parte de uma instituição religiosa, de um fenômeno estranho, onde este passa a ser interpretado como a presença do demônio. O desconhecido sempre causa medo, e é visto pelas denominações religiosas como um agente externo que causa esses comportamentos. Vemos no texto bíblico que epiléticos eram vistos como possessos do demônio, pois não se sabia o que era a doença. As Ciências da Religião não afirmam nem negam o demônio ou o exorcismo, pois procuram entender o fenômeno religioso, aquilo que se mostra, a partir das diferentes áreas de conhecimento. Quando se fala em exorcismo ou demônio, a psicologia é a área que mais contribui na compreensão desses fenômenos.

P - Quem está habilitado a fazê-lo?

R - Até a década de 1960, no período do Concílio Vaticano II, todo padre era um exorcista nato, tanto é que antes da ordenação o candidato ao sacerdócio recebia quatro ordens menores: acólito, leitor, exorcista e porteiro. O Concílio aboliu as ordens de porteiro e exorcista e, a partir do Concílio, apenas quem o bispo nomeasse na Diocese poderia exercer a função de exorcista. Isso ocorreu porque o Concílio abriu-se às novas ciências (de modo particular a psicologia) e percebeu que as possessões estavam mais para problemas psíquicos do que sobrenaturais. O fato do exorcista precisar da nomeação do bispo era uma maneira de controlar os exageros nesse campo, onde tudo era o demônio. E, de fato, o número de possessões na Igreja Católica foram muito reduzidas. Foi com o movimento da Renovação Carismática que o fenômeno voltou a crescer no catolicismo.

P - É um ritual exclusivo da Igreja Católica ou existe em outras religiões? Quais?

R - Quando a Igreja Católica se estabelece como instituição, o exorcismo já era uma prática existente. O próprio fato de aparecer isso nos evangelhos mostra que no judaísmo isso era comum. Quando em outras tradições religiosas o xamã desce às profundezas para buscar a cura de alguém, e negocia com o espírito a cura dessa pessoa, temos uma espécie de exorcismo, pois quem causa a doença é um espírito maligno com o qual se deve negociar a cura. As doenças na antiguidade eram vistas como algo que vinha de fora, e que era necessário expulsá-la. E há vários ritos para isso. Portanto, o exorcismo antecede o cristianismo e é comum nas tradições religiosas.

P - Quando e como ele é executado?

R - É executado através de rituais prescritos, desde que haja “comprovação” da possessão. Aqui temos a história de verdadeiras barbáries cometidas pela religião. O livro “O martelo das bruxas” era uma espécie de manual com táticas violentas para comprovar a possessão ou não. Geralmente, os acusados não saíam vivos das provas. O filme “As bruxas de Salém” é muito interessante para compreender como se dá o processo de interpretação de que aquilo que se via era possessão diabólica. O demônio chega a ser visto como uma pessoa que tem o poder de tomar posse do outro. Na Igreja Católica há um ritual bem definido dos passos a serem dados. Mas, hoje, as tradições pentecostais, neopentecostais e carismáticas, banalizaram essas possessões que se tornaram espetáculos teatrais, onde tudo é demonizado: do fazer parte de outra religião à maionese ou os discos da Xuxa. Há uma necessidade de (re) forçar o poder do líder religioso ou da denominação, para melhor alcançar os interesses, muitas vezes, nada espirituais. No catolicismo, hoje, são raríssimas as possessões demoníacas que são reconhecidas oficialmente pela Igreja.

P - Quando se chega à conclusão de que ele é necessário?

R - Antigamente, o diferente, o que não estava sob o domínio da instituição, era suficiente para interpretar como possessão e o exorcismo era frequente. Hoje, com a preciosa ajuda das ciências, raramente interpreta-se esses fenômenos estranhos como possessão e, logo, há pouco lugar para o exorcismo. O falecido Padre Oscar Quevedo, parapsicólogo, tinha um princípio muito sábio: antes de chegar à conclusão de que algo é sobrenatural (divino ou diabólico), esgote todos os recursos naturais. A parapsicologia tem contribuído muito para este momento que vivemos, apesar de movimentos internos ao catolicismo e pentecostais e neopentecostais fazerem o caminho inverso.

AS CINCO MANIFESTAÇÕES DO DEMÔNIO

1 – Vexação

Quando o demônio atua nos cinco sentidos da pessoa – olfato, tato, visão, audição e paladar, mas não é uma dominação total na vida da pessoa.

2 – Sujeição

Quando o demônio já está exercendo certo poder na pessoa. De forma interna, ela está sendo sujeitada pelo demônio.

3 – Infestação

Quando a ação extraordinária do demônio age em objetos, nas casas, por exemplo, as luzes se acendem só, caem objetos, animais ficam doentes sem explicação.

4 – Opressão demoníaca

Quando de forma interna a pessoa está encadeada, tem pensamentos como obsessivos, são como vozes, pode ser confundido com algumas manifestações psicológicas, como uma epilepsia que surge já adulta.

5 – Possessão demoníaca

É a possessão total do demônio no corpo e na mente. Ela por si só já não consegue se libertar.

PARA ENTENDER

EXORCISMO: com base no Manual do Exorcista aprovado pela Santa Sé

A ciência tem demonstrado que, dos casos tidos como possessão diabólica, no passado, apenas 3% podem ter sido, de fato, intervenção do demônio.

Daí a cautela da Igreja, nos últimos tempos, com relação à prática do exorcismo.

- O Catecismo da Igreja Católica lembra que é necessário proceder com prudência, assegurando-se, antes de celebrá-lo, se de fato se trata da presença do maligno ou de uma doença.

O RITUAL ADVERTE

Não transformar a celebração em um espetáculo.

Não divulgar o exorcismo através dos meios de comunicação.

Consultar peritos em ciência médica que tenham senso das coisas espirituais.

SINAIS DE OBSESSÃO DIABÓLICA

Glossolalia - suposta capacidade de falar línguas desconhecidas quando em transe religioso.

Sansonismo - É uma denominação para a força histérica, tomada do nome do caráter bíblico Samson, que possuiu a força física extraordinária.

Aversão ao nome de Jesus, de Maria, aos sacramentais e imagens sacras.

(Contudo, pessoas em transe podem extravasar dessa maneira, principalmente se forem muito reprimidas).

(Extraído do livro “Misticismo, Ciência e Fé” do cônego Jaime Pereira).

ORAÇÃO DE EXORCISMO

Em seu artigo “A vitória sobre o mal”, disponível no site da CNBB (https://www.cnbb.org.br/a-vitoria-sobre-o-mal/), o arcebispo metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira, aborda o tema do exorcismo, onde reitera toda a prudência e recomendações da Igreja antes de se proceder o ritual. Em um dos trechos, o religioso ensina uma oração para os fiéis:

“Deus, Pai Santo, que, pela graça da adoção filial, me tornastes filho da luz, concedei que não seja envolvido pelas trevas do demônio, mas permaneça sempre no esplendor da liberdade que recebi no renascimento batismal. Amém.”

VEM SEGUIR OS CANAIS DO DOL!

Seja sempre o primeiro a ficar bem informado, entre no nosso canal de notícias no WhatsApp e Telegram. Para mais informações sobre os canais do WhatsApp e seguir outros canais do DOL. Acesse: dol.com.br/n/828815.

tags

Quer receber mais notícias como essa?

Cadastre seu email e comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)

plus

    Mais em Curiosidades

    Leia mais notícias de Curiosidades. Clique aqui!

    Últimas Notícias