DOL Carajás
Notícias / Polícia
TRIBUNAL DO CRIME

Jovem desaparecido teria sido decapitado por facção 

Equipes das Polícias Civis, Militar, Guarda Municipal e Bombeiros realizam buscas para localizar o cadáver

quarta-feira, 04/05/2022, 17:11 - Atualizado em 04/05/2022, 17:10 - Autor: Com informações Pebinha de Açucar

Google News

Buscas pelo corpo de José Antônio foram realizados em uma área de mata
Buscas pelo corpo de José Antônio foram realizados em uma área de mata | Alessandra Gonçalves

Os "tribunais do crime" foram criados pela facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) para estabelecer um sistema paralelo de julgamento e punição aplicados a todos aqueles que prejudiquem os negócios da facção ou, ainda, descumpram suas regras disciplinares. Os tribunais desenvolveram um modo de operação próprio, pautado por tortura, extrema violência e execução sumária das vítimas.

Um jovem de apenas 18 anos teria sido julgado e condenado à morte pelo tribunal do crime em Parauapebas, no sudeste do estado. A Polícia Civil com apoio da Guarda Municipal, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar, realizou durante a tarde desta terça-feira (3), buscas pelo corpo de José Antônio Corrêa Alves, em uma área de mata no Bairro São Lucas II, no Complexo VS-10, em Parauapebas.

 

José Antônio foi visto pela última vez no dia 5 de abril
José Antônio foi visto pela última vez no dia 5 de abril | Reprodução
 

O jovem de 18 anos está desaparecido desde o dia 5 de abril. De acordo com informações, José estava na Praça Faruk Salmen, quando por volta de 22h, dois homens chegaram e conversaram com ele. Logo após, os três saíram do local e o jovem nunca mais foi visto. Na ocasião ele estava com uma moto de placa OSY-0564. 

Veja também: 

Corpo carbonizado é encontrado sem cabeça por criança

Jovem que estava desaparecido é encontrado decapitado 

Jovem desaparecido pode ser o de vídeo de homem degolado

Dias após o desaparecimento, um vídeo foi divulgado, onde José Antônio aparece sendo brutalmente assassinado e decapitado por membros de uma suposta facção criminosa.

Uma intensa busca foi realizada, possíveis covas foram escavadas, no entanto, nada foi encontrado. A operação contou com apoio do cão farejador Apolo, da PM, e da Kiara, do Grupamento Canil da Guarda Municipal de Parauapebas, além do auxílio de drone.


Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS