"COZINHA DA MARÉ"

Marisqueiras do Pará lançam livro de receitas "só o filé"

Publicação “Cozinha da Maré”, em formato de e-book, reúne 24 receitas com peixes, caranguejo, sarnambi, ostra e outros mariscos, e ficará disponível para download a partir do próximo domingo (05/09). Projeto integra a campanha “Mães do Mangue”. Publicação “Cozinha da Maré”, em formato de e-book, reúne 24 receitas com peixes, caranguejo, sarnambi, ostra e outros mariscos, e ficará disponível para download a partir do próximo domingo (05/09). Projeto integra a campanha “Mães do Mangue”.

quarta-feira, 01/09/2021, 20:16 - Atualizado em 01/09/2021, 20:44 - Autor: Redação


A publicação traz receitas e histórias de marisqueiras
A publicação traz receitas e histórias de marisqueiras | Reprodução

“Munjica” de caranguejo, puqueca de gó, sopa de ostra com leite de coco, sarnambi refogado: receitas tradicionais de populações dos manguezais do Pará estão reunidas no livro “Cozinha da Maré - As mulheres e a cultura alimentar nativa dos manguezais amazônicos do Pará”, que será lançado no próximo domingo (5), no site da campanha Mães do Mangue, em formato de e-book, como celebração ao Dia da Amazônia. 

A publicação apresenta receitas e também histórias de vida das marisqueiras Adaiza Braga Correa, Edite Silva, Joana de Castro, Juliana Alves, Lourdes Souza, Maria Antônia Costa, Maria Brito, Maria da Silva, Maria do Socorro Souza, Marizete Araújo, Naldilene de Souza, Patrícia Farias, Sônia Corrêa, Sandra Gonçalves e Taciara Silva.

A realização é das organizações Rare, Purpose, Associações dos Usuários das Reservas Extrativistas Marinhas e Costeiras (AUREMs) e Comissão Nacional de Fortalecimento das Reservas Extrativistas Costeiras e Marinhas (Confrem), com apoio de Oceana, Ame o Tucunduba, Climainfo, Conservação Internacional, Instituto Manguezal, Instituto Nova Amazônia, Instituto Peabiru, Liga das Mulheres pelo Oceano, Toró – Gastronomia Sustentável.  

Com iguarias culinárias das 12 Reservas Extrativistas (Resex) Marinhas e uma Área de Proteção Ambiental (APA), a APA Algodoal/Maiandeua, o livro está dividido em quatro partes: “Receitas entremarés”, com pratos da cultura alimentar de pescadoras e pescadores passadas por gerações; “Receitas de maré alta”, com preparos a partir de ingredientes frescos e temperos colhidos no tempo da natureza;  “Receitas de mangues e raízes”, com as receitas de caranguejo, siri e o turu; e “Receitas Vazante em festa”, com pratos feitos com mandioca como a farofa de bicho de tucumã. 

Angelina Rodrigues, da Resex de Soure, conta que muitas receitas são heranças de povos originários. “Eu nasci aqui, nasci nessa vida de tirar caranguejo, de ir para maré. Acho que o conhecimento que a gente tem veio dos índios que viviam aqui”, explica. Maria Brito, da Resex Mestre Lucindo completa, refletindo sobre a atividade pesqueira: “Eu aprendi acompanhando a minha mãe. Eu sustento minha família na mariscagem e para mim é como se fosse uma terapia, ficar aqui na maré, pensando na vida”. 

 

Receitas são das próprias trabalhadoras da Maré
Receitas são das próprias trabalhadoras da Maré | Divulgação
 


Patrimônio cultural alimentar

No prefácio, a realizadora cultural Tainá Marajoara, do Instituto Iacitatá Amazônia Viva, destaca que as receitas fazem parte do patrimônio cultural alimentar dos extrativistas dos mangues da Amazônia e que revelam a harmonia com o ecossistema. “Um íntimo ritmo de cozinha, vida, mulheres e águas. A poética do cotidiano entre mariscagem, encantados, pescas, desafios (por vezes perigosos), lutas, proteções e sonhos que se transmutam em alimentos com sabores do mangal”, afirma no livro. 

Programação nas Reservas Extrativistas

A partir da próxima sexta-feira (3), as associações de extrativistas iniciam uma série de atividades alusivas à Campanha Mães do Mangue para promover a integração entre as mulheres marisqueiras, com diálogo sobre o trabalho e as perspectivas de futuro. A programação terá ainda apresentação do livro “Cozinha da Maré” e dos vídeos curta-metragem realizados especialmente para contar as histórias de vida de quem trabalha e vive no mangue - já disponíveis em quatro episódios no YouTube. 

De acordo com Bruna Martins, gerente do Programa Pesca para Sempre, da Rare, é importante ativar a campanha e a publicação ao promover vivências com grupo de mulheres. “Um ponto forte será a inauguração do Espaço da Mulher Extrativista no município de Magalhães Barata. A campanha teve esse objetivo, de reunir essas mulheres e mostrar como elas são protagonistas na conservação e defesa do mangue”, comenta. 

Campanha

No estado do Pará, território localizado na maior área contínua de manguezais do planeta, nasce o projeto Mães do Mangue. A campanha tem como objetivo inspirar e engajar comunidades na defesa e proteção desse ecossistema, a partir do protagonismo das mulheres e famílias que vivem nas reservas extrativistas. As narrativas e a vivência feminina dentro do mangue, registradas no projeto, revelam a atuação fundamental dessas mulheres no enfrentamento das emergências climáticas e na busca de soluções para a sobrevivência sustentável desses territórios.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS