Esporte / Esporte Pará
TREINADOR FOCADO

Schülle reestrutura Paysandu para estrear contra rival

Itamar Schülle intensifica os treinamentos, com variações de jogo, para que o time bicolor termine o Re-Pa como vencedor.

sexta-feira, 02/04/2021, 09:01 - Atualizado em 02/04/2021, 09:01 - Autor: Tylon Maués


O treinador Itamar Schülle quer fazer bonito na sua primeira partida contra o Remo.
O treinador Itamar Schülle quer fazer bonito na sua primeira partida contra o Remo. | Jorge Luiz / Paysandu SC

Com a proximidade do domingo, quando será disputado o primeiro clássico Re-Pa da temporada, os últimos ajustes são feitos de ambos os lados. No Paysandu, a impressão que o técnico Itamar Schülle é que o time já está definido, com basicamente a mesma formação que vinha atuando antes da paralisação por causa da Covid-19. O treinador bicolor usou as duas últimas semanas não só para ajustes, e sim para uma quase reestruturação do trabalho que vinha sendo feito. Ele destacou o orgulho de poder estrear no clássico paraense. “Será um momento muito importante e de orgulho. Já tive oportunidade de estar em outros clássicos e sempre é um momento de alegria”.

“Estamos em evolução. Estamos trabalhando há dois meses, com jogadores chegando. Ainda não temos um grupo só trabalhando, pois os atletas ainda estão chegando. Mas o crescimento é nítido no dia a dia com o empenho e a dedicação dos atletas”, explicou Schülle, que salientou que além de tentar melhorar o entrosamento de um time totalmente novo, foi preciso testar variações de jogos para serem utilizados nos 90 minutos. “Temos treinado para isso, para ter variantes no jogo. Trabalhamos muito para termos opções, mesmo sem fazer mudanças de atletas. É claro que estamos numa fase de ter mais entrosamento, de firmar um time, mas é preciso você ter opções de jogos e que os atletas saibam as razões disso”.

Itamar Schülle observou que o Paysandu estava numa crescente antes da parada e que isso requer uma adaptação, mas isso é algo que deve afetar a todos os demais times. “Uma semana foi só tomando os cuidados para não expor os atletas, apenas com trabalhos de academia, sem ganho técnico. A ida a Castanhal foi para ter condições de treinar em campo e valeu o esforço da diretoria. Nesse período todo teve acréscimo de treinos em campo, mas essas paradas nunca são boas”.

SEM VANTAGEM

Encarar o maior rival na Curuzu não é destacado como uma vantagem para o Paysandu, diz Itamar Schülle. Pelo contrário, ele elogia bastante o maior rival bicolor, destacando a organização pela qual passa o clube azulino, mas prega o equilíbrio no jogo de domingo. “O Remo manteve um excelente treinador, grande parte do elenco e isso denota planejamento bem feito. O time tem jogado bem. Aqui há uma equipe em evolução e com atletas muito empenhados em conseguir o objetivo, que é a vitória”.

O trabalho feito desde janeiro na Curuzu foi bastante elogiado pelo treinador, que salientou toda retaguarda feita pela comissão técnica, fisiologia, departamento médico e todos que trabalham diretamente no futebol profissional. “São dois meses sem nenhuma lesão, o que mostra que a programação foi bem elaborada e melhor executada. Mas, nem todos estão à disposição. Alguns jogadores terão que esperar mais um pouco, umas duas semanas até, jogadores que pararam por causa da Covid-19 e que terão um trabalho especial. Mas o importante é que todos estão trabalhando e com muito profissionalismo”.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS