Diário Online
Esporte / Esporte Pará
QUER JOGO!

Volante comenta aditivo com o Paysandu e enaltece RexPa

Bruno Paulista disse que fez questão prorrogar o contrato para jogar o Clássico Rei da Amazônia e deixa o futuro para ser decidido depois da competição regional

sexta-feira, 26/11/2021, 22:17 - Atualizado em 26/11/2021, 22:17 - Autor: Kaio Rodrigues


Imagem ilustrativa da notícia: Volante comenta aditivo com o Paysandu e enaltece RexPa
| Divulgação

Com 21 jogadores no elenco profissional atualmente, o Paysandu busca renovar contratos que chegam ao fim no próximo dia 30, terça-feira. Certo mesmo, é que o zagueiro Perema não irá renovar com o clube, ou seja, o Papão estará contando com 20 jogadores, se ninguém mais sair, para a disputa da Copa Verde. Quem assinou aditivo nesta sexta-feira foi o volante Bruno Paulista, que disse ter renovado para jogar o clássico contra o Remo.

“Eu assinei o auditivo. Sempre deixei claro para a diretoria, ao presidente, que eu queria ficar e jogar essa reta final de campeonato. Essa semifinal será uma final, já que é um RexPa. Estamos ansiosos, preparados e focados. Depois que acabarem essas finais, vou ver junto com a diretoria e os meus empresários a melhor situação para todos”, destacou.

 

|
 

Os jogos acontecem no dia 1º e 4 de dezembro, no Estádio da Curuzu, às 20h, e no Baenão, às 17h, respectivamente. O Papão é bicampeão da competição regional, enquanto que o Leão Azul nunca conquistou o troféu de campeão. Bruno Paulista disse amar clássicos, contou um pouco da sua experiência no mundo do futebol e quer garantir o segundo troféu do Papão na temporada.

“É um clássico. Um dos maiores do Brasil e todo mundo gosta de jogar. Amo clássico. Já joguei Vasco e Flamengo, Bahia e Vitória. Na Europa joguei Sporting e Benfica. É um momento especial para todos nós. Sabemos que o principal objetivo do clube não foi alcançado, mas fechar o ano com dois títulos seria muito importante para nós e para os nossos torcedores”, enfatizou.

 

|
 

Certamente, Bruno Paulista se destacou como o homem de meio de campo com maior qualidade nos passes e chutes, principalmente de longa distância. No entanto, ele sofreu um pouco com as lesões, como na reta final da primeira fase da Série C do Brasileiro, o que quebrou seu ritmo de jogo. Apesar disso, ele diz ter tido uma boa temporada com a camisa alviceleste.

“Eu vim de Portugal e vim de um processo complicado, pois fiquei muito tempo sem jogar lá. Cheguei aqui, fui adquirindo ritmo. Com o Eutrópio tive uma sequência muito boa, onde pude mostrar meu futebol. Com outros treinadores, tive sequências menores. Me sinto feliz, motivado e espero jogar essas finais para poder ajudar o time da melhor maneira possível”, ponderou.

 

|
 


Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS