Diário Online
Esporte / Esporte Pará
É, LEÃO...

Bonamigo diz que estratégia deu certo, mas faltou sorte

Técnico azulino explicou o motivo de Anderson Uchôa, um dos mais experientes, não bater o pênalti decisivo contra o Cruzeiro; Leão deixa de ganhar R$ 3 milhões

quinta-feira, 12/05/2022, 23:28 - Atualizado em 13/05/2022, 07:20 - Autor: Kaio Rodrigues

Google News

Bonamigo tinha um plano que não deu certo por causa da sorte
Bonamigo tinha um plano que não deu certo por causa da sorte | Samara Miranda/Remo

A pergunta que todos os azulinos estão se fazendo neste momento, após a eliminação nos pênaltis para o Cruzeiro, pela Copa do Brasil, é: porque o Anderson Uchôa não cobrou no momento que garantiria a vaga e deram a bola para o garoto Laílson? O técnico Paulo Bonamigo justificou dizendo que o volante não se sente à vontade com penalidades.

“O Uchôa, nos treinamentos não se colocou à disposição. É onde você coloca os atletas para bater no jogo e ele não se sentia confortável para bater. Infelizmente houve um empate durante a disputa e ele teve que bater. Mas, normalmente, ele não se apresenta aos treinamentos. Laílson vinha treinando. Faz parte do futebol”, contou.

O Remo se defendeu em boa parte do confronto. Para se ter uma ideia, no segundo tempo, os azulinos só saíram para atacar o Cruzeiro após sofrerem gol de Edu. Apesar da fraqueza ofensiva, o Leão mostrou um bom jogo defensivo, levando um gol de bola parada. No restante do jogo, a Raposa pouco criou e, quando conseguiu, parou em Vinícius. Bonamigo viu o Leão com falta de sorte.

“A nossa ideia era marcar e sair, ter um equilíbrio. O adversário jogou em blocos altos, nos pressionando, nos obrigando a sair em bolas longas. Não tivemos a conexão que tivemos no primeiro tempo. Nossa organização defensiva foi de alto nível. Conseguimos controlar um adversário forte, com torcida pressionando. Hoje, a sorte não estava do nosso lado porque o jogo foi decidido nas penalidades. É muito difícil marcar o Cruzeiro que tem um jogo agressivo. Tínhamos que equilibrar, se não eles teriam vantagem numérica. O Erick, taticamente, sem bola, juntava na linha, fazendo o quinto elemento. Achei ele perfeito e cumpriu bem o papel, finalizou.


Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS