Diário Online
Notícias / Notícias Brasil
OBSTRUÇÃO INTESTINAL

Bolsonaro deixa hospital após receber alta médica

O presidente estava internado desde a última segunda-feira, após sentir dores abdominais.

quarta-feira, 05/01/2022, 17:18 - Atualizado em 05/01/2022, 17:17 - Autor: FOLHAPRESS


O presidente Jair Bolsonaro com a equipe médica.
O presidente Jair Bolsonaro com a equipe médica. | Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (PL) estava internado desde a madrugada de segunda-feira (3) devido a uma obstrução intestinal. O presidente interrompeu as férias em Santa Catarina após sentir dores abdominais. O problema no intestino é consequência da facada sofrida pelo então candidato em 2018.

Nesta quarta-feira (05), ele recebeu alta médica e saiu do Hospital Vila Nova Star, em São Paulo. No Twitter, ele agradeceu. 

Segundo Bolsonaro, a obstrução aconteceu porque ele não mastigou camarões que comeu no domingo (2).

Camarão inteiro obstruiu intestino de Bolsonaro

O presidente deixou o hospital por volta das 10h30, após dar entrevista ao lado do cirurgião Antônio Luiz Macedo, responsável pelo tratamento intestinal de Bolsonaro desde o atentado.

Bolsonaro agradeceu ao dr. Macedo, que disse que o presidente "tem boa saúde e se recupera rapidamente".

As orientações médicas para os próximos dias são de dieta restrita, exercícios leves e mastigar os alimentos. Ainda assim, a avaliação é a de que as obstruções intestinais podem seguir ocorrendo.

"Vai ser difícil seguir isso, eu não consigo me controlar", disse Bolsonaro sobre dieta. "Foi domingo. Eu não almoço, eu engulo", completou.

"O camarão não foi mastigado. A gente pede para todos os clientes fazerem o que a gente faz. Mastigar 15 vezes cada garfada", disse Macedo.

Bolsonaro disse ainda que vai manter viagens programadas nas próximas semanas para Nordeste, Rio e Rússia e que gostaria de ir a um jogo de futebol beneficente promovido por cantores sertanejos em Buriti Alegre (GO) nesta quarta à noite.

"É difícil ficar parado. Queria estar hoje à noite lá no jogo do Marrone e Gustavo Lima. Estou tentando ir pra lá, eu não vou jogar logicamente. Mas estou tentando ir pra lá, vou ver como é que fica. A vida continua. Todo mundo vai embora um dia. A gente lamenta isso aí. Agradeço ao dr. Macedo a força que está dando para mim", disse.

Na entrevista, Bolsonaro afirmou ainda que não cabe falar em vitimização ou em "facada fake".

Os boletins médicos vinham registrando melhora do presidente. Na terça (4), o hospital informou que a obstrução se desfez e que uma cirurgia foi descartada. O presidente reagiu bem à dieta líquida e teve a sonda nasogástrica retirada.

Diante da melhora, cresceu a expectativa entre ministros e apoiadores de que Bolsonaro receba alta. Na terça, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho do presidente, afirmou que a liberação poderia ocorrer "a qualquer momento".

Inicialmente, o presidente recebeu antibióticos e alimentação por meio de sonda nasogástrica, hidratação e reposição de glicose e eletrólitos (especialmente sódio e potássio) para que seu intestino voltasse a funcionar. O presidente respondeu ao chamado tratamento conservador -sem intervenção cirúrgica.

Nas redes sociais, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, publicou uma foto de Bolsonaro caminhando na terça. O presidente e seus seguranças não usavam máscaras.

A avaliação sobre a necessidade de cirurgia dependia da chegada de Macedo ao hospital.

O cirurgião estava de férias nas Bahamas e voltou para São Paulo na madrugada de terça. Segundo Macedo, um avião providenciado pelo hospital fez seu transporte -o Vila Nova Star não respondeu se repassará os custos à Presidência da República.

O jornal Folha de S.Paulo fez um orçamento de voo fretado das Bahamas a São Paulo com duas empresas e obteve custos de R$ 340 mil e R$ 680 mil.

A internação ocorre em meio ao desgaste do presidente após uma série de críticas por não ter interrompido as férias diante das enchentes na Bahia. Bolsonaro seguiu com passeios de turismo em Santa Catarina e não sobrevoou as áreas atingidas.

Opositores do presidente na esquerda criticaram a internação como oportuna e até a versão fantasiosa de que a facada não existiu voltou a circular nas redes sociais.

Por outro lado, apoiadores de Bolsonaro passaram a resgatar a memória da facada, tema que mobiliza sua base eleitoral. Familiares e ministros lembraram a tentativa de homicídio e pediram uma corrente de oração para o mandatário.

"É a segunda internação com os mesmos sintomas, como consequência da facada (6.set.18) e quatro grandes cirurgias", afirmou Bolsonaro nas redes sociais na segunda-feira, lembrando sua última internação e o histórico de tratamentos após o atentado.

Em 14 de julho de 2021, em meio ao desgaste do governo diante de acusações de propina na compra de vacinas reveladas pela CPI, Bolsonaro foi internado em São Paulo com obstrução no intestino -quadro também ligado ao atentado durante a campanha presidencial de 2018. O presidente teve alta em 18 de julho e não passou por cirurgia.

Na época, a questão médica foi explorada por Bolsonaro e seus filhos nas redes ao resgatarem o atentado e acabou aumentando a popularidade digital do presidente, que estava em baixa em meio à crise na CPI e a protestos da oposição.

​Bolsonaro viajou a São Francisco do Sul (SC) na segunda-feira (27) para passar o Réveillon com a primeira-dama e a filha mais nova, Laura. Antes do Natal, ficou no Forte dos Andradas, em Guarujá (SP), entre os dias 17 e 23.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS