Diário Online
Notícias / Notícias Brasil
RECONHECIMENTO

Câmara aprova piso salarial de R$ 4.750 para Enfermagem

Deputados aprovaram em ampla maioria projeto de piso salarial de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e parteiras. Texto segue para sanção presidencial.

quinta-feira, 05/05/2022, 11:36 - Atualizado em 05/05/2022, 15:11 - Autor: FOLHAPRESS

Google News

Câmara aprova em massiva maioria texto do Piso Salarial da Enfermagem
Câmara aprova em massiva maioria texto do Piso Salarial da Enfermagem | Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (4) por 449 votos favoráveis a 12 contrários o projeto que estabelece um piso nacional para enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e parteiras.

Procon orienta clientes sobre empresas de telemarketing

Veja como fica o rendimento da poupança, Tesouro e CDB

O texto, de autoria do senador Fabiano Contarato (PT-ES), não sofreu alteração em relação ao projeto do Senado e segue para sanção ou veto do presidente Jair Bolsonaro (PL).

O projeto cria um piso de R$ 4.750 para os enfermeiros. Técnicos em enfermagem receberiam 70% desse valor, e auxiliares de enfermagem e parteiras, 50%. De acordo com a proposta, o valor será corrigido anualmente com base no INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).

CUSTEIO

O texto veio do Senado sem fonte apontada para custear o piso. Entidades do setor, por sua vez, buscaram alertar para o impacto do projeto. A Anahp (Associação Nacional de Hospitais Privados) calcula que o impacto pode chegar a R$ 5,7 bilhões para estabelecimentos do setor público.

Outros R$ 6,4 bilhões afetam instituições privadas sem fins lucrativos, efeito que pode acabar recaindo sobre o governo, uma vez que parte dessas organizações são remuneradas pelo SUS (Sistema Único de Saúde) pela prestação de serviços.

O Tesouro Nacional, por sua vez, estima um impacto ainda maior, de até R$ 7 bilhões, no caso de hospitais públicos, e de R$ 8 bilhões no caso das filantrópicas. Segundo os técnicos do governo, o custo adicional recai quase totalmente sobre as finanças de estados e municípios.

Ainda no início da votação o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), tinha indicado não haver de onde tirar os recursos para bancar o piso. Ele disse, no entanto, que o governo era contrário à retirada de pauta do projeto.

"Nós queremos votar o projeto, mas queremos entregar no contracheque dos enfermeiros o valor. Então espero que até o final desta votação nós encontremos uma solução que viabilize a fonte para esses recursos, para que todos saiam daqui com a certeza de que de fato foi uma vitória."

Ao final, porém, admitiu que ainda não havia encontrado fonte para os recursos e orientou o voto contrário ao projeto. "O projeto não atende à lei de responsabilidade fiscal e não pode ser sancionado", disse. Ele afirmou que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), só enviará o texto à sanção após a fonte de recursos estar disponível.

CONTRÁRIO

Único partido contrário à medida, o Partido Novo tentou retirar a proposta da pauta de votação desta quarta-feira. Para o líder da sigla, deputado Tiago Mitraud (MG), a medida é eleitoreira e tem alto impacto orçamentário.

“Este projeto vai acabar com a saúde brasileira, porque vamos ver as santas casas fechando, leitos de saúde fechando e os profissionais que hoje estão aqui lutando pelo piso desempregados, porque os municípios não conseguirão pagar esse piso”, disse.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS