Diário Online
Notícias / Notícias Brasil
JOGOS DE AZAR

Justiça ordena prisão de delegada com R$ 2 milhões em casa

Adriana Belém é suspeita de corrupção pela liberação de máquinas caça-níqueis e será encaminhada à Corregedoria da Polícia Civil.

terça-feira, 10/05/2022, 21:43 - Atualizado em 10/05/2022, 21:49 - Autor: ( Folhapress )

Google News

Imagem ilustrativa da notícia: Justiça ordena prisão de delegada com R$ 2 milhões em casa
| ( Reprodução )

A Justiça do Rio determinou, nesta terça-feira (10), a prisão preventiva da delegada Adriana Belém, acusada de envolvimento em uma organização criminosa especializada em jogos de azar. Na casa dela, foram encontrados cerca R$ 1,8 milhão, sendo que parte do dinheiro estava em sacolas da grife Louis Vuitton.

A delegada foi denunciada sob suspeita de corrupção pela liberação de máquinas caça-níqueis e será encaminhada à Corregedoria da Polícia Civil. Os promotores suspeitam que o valor encontrado seja proveniente de lavagem de dinheiro. A Folha não conseguiu ainda contato com a defesa dela.

Segundo a Polícia Civil, Belém não ocupa atualmente cargo na corporação e está lotada em outro órgão. "A Corregedoria-Geral da instituição solicitará acesso às investigações para dar andamento aos processos administrativos necessários", disse o órgão em nota.

LEIA TAMBÉM:

Alta cúpula da milícia é presa em condomínio no Rio

Polícia resgata mulher que seria queimada viva por milícia

Belém foi um dos alvos da Operação Calígula, que tem como objetivo desarticular um esquema para proteger uma organização criminosa especializada em jogos de azar. O Ministério Público estadual denunciou ao todo 30 pessoas no caso.

Segundo a denúncia, um dos integrantes do grupo é Ronnie Lessa, acusado de ser o autor dos disparos que mataram a vereadora Marielle Franco na noite de 14 de março de 2018. Ele foi preso em março de 2019 e se tornou réu sob acusação de homicídio da parlamentar.

Segundo a Promotoria, o grupo é liderado por Gustavo de Andrade e seu pai, Rogério de Andrade -sobrinho de Castor de Andrade, um dos maiores bicheiros cariocas. Castor sofreu um infarto em 1997 enquanto cumpria prisão domiciliar. Segundo o Ministério Público, a organização criminosa atuava no Rio de Janeiro e em outros estados do país.

Segundo a denúncia, os criminosos tinham acertos com agentes da Polícia Civil mediante pagamento de propina. O objetivo do acordo era garantir a proteção do bando. Já os agentes da Polícia Militar receberiam valores mensais para permitir o funcionamento das casas de aposta do grupo. A delegada Adriana seria uma das agentes que ajudaria o bando.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS