plus
plus

Edição do dia

Leia a edição completa grátis
Edição do Dia
Previsão do Tempo 33°
cotação atual R$


home
NO PARÁ

Crise hídrica afeta cadeia de produtos agroextrativistas

Parceria entre organizações da sociedade civil e poder público busca mitigar efeitos da seca. Alterações logísticas poderão atrasar a oferta de produtos, especialmente da castanha-do-Brasil.

twitter Google News
Imagem ilustrativa da notícia Crise hídrica afeta cadeia de produtos agroextrativistas camera Divulgação

A crise hídrica, que castiga parte da Amazônia desde 2023, segue revelando desafios para o meio ambiente e a economia locais. Em Oriximiná, no Pará, cidade conhecida pela robusta atividade agroextrativista, comunidades indígenas e quilombolas testemunham dificuldades provocadas pelos impactos das mudanças climáticas no fenômeno El Niño, o que ocasionou a queda drástica das chuvas, provocando redução dos níveis de água nos rios, impactando diretamente o transporte de produtos como a castanha-do-Brasil.

De acordo com Manoel Erbson Vieira dos Santos, conhecido como Preto, um dos produtores locais e diretor da Cooperativa Mista dos Povos e Comunidades Tradicionais da Calha Norte (Coopaflora), os rios ainda não recuperaram seus níveis normais devido à seca, dificultando a navegação na região e a consequente entrada de embarcações nas áreas de coleta e de escoamento das produções.

A presença excessiva de vegetação, que cresceu no que antes era o fundo do rio e entraram em decomposição com o tímido alagamento recente, além de dificultar a navegação torna a água inviável para consumo, evidenciando o impacto duradouro da seca. Apontando outras dimensões do problema

“A escassez de água é uma realidade presente em nossa comunidade, que se complica pela ausência de poços artesianos na maioria das casas. Essa situação nos obriga a utilizar a água do rio, que não é ideal para consumo”, destacou Preto.

No contexto da agricultura familiar, especialmente no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), Preto conta que as queimadas intensas e um verão particularmente rigoroso devastaram as plantações de banana, levando a uma recuperação ainda incompleta.

“As bananas produzidas estão abaixo do padrão esperado em termos de tamanho. Além disso, a produção de castanhas foi severamente afetada, resultando em uma safra reduzida. O transporte dessas castanhas também está comprometido, com muitas delas retidas nos igarapés e quedas d’água que ainda sofrem com a falta de água”, comentou.

Castanha-do-Brasil

Samuel Wai-Wai, indígena cooperado à Coopaflora, relata o cenário atual do transporte de sua principal fonte de renda, a castanha-do-Brasil, para a cidade. “Uma viagem que normalmente levaria quatro horas agora é repleta de incertezas e perigos devido à redução drástica dos níveis de água”, explicou.

Ele continua, detalhando os obstáculos adicionais impostos pela seca: “a escassez de água transformou nossas rotas em caminhos quase intransitáveis, aumentando os riscos, especialmente nas proximidades das cachoeiras. Além disso, a ausência de um caminhão e a necessidade de um bote motorizado nos deixam vulneráveis, pois a castanha representa não apenas um produto, mas a garantia de nosso sustento”, alertou.

Crise hídrica afeta cadeia de produtos agroextrativistas
📷 |Divulgação

Samuel também reflete sobre as adversidades do ano anterior, destacando como a combinação de preços baixos e seca afetou a produção. "Enfrentamos uma série de desafios, desde a queda nos preços até a dificuldade no transporte da produção devido à seca, que restringe nosso acesso aos mercados e atrasa a venda de nossos produtos, impactando diretamente nossa subsistência," ele explica.

Comercialização

Em 2023, a comercialização de castanhas na Coopaflora atingiu 783 hectolitros, correspondendo a uma receita de R$168 mil. Já em 2024, esse número é de 250 hectolitros. Essa queda não apenas reflete as adversidades climáticas, mas também ressalta a fragilidade de um sistema dependente dos ciclos naturais e da integridade dos ecossistemas fluviais. Os números são parciais e a coleta da safra segue ocorrendo, porém acendem o alerta para o mercado.

Mateus Feitosa, analista de projetos do Programa Florestas de Valor, uma iniciativa do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) com patrocínio do Programa Petrobras Socioambiental, conta que a organização articula esforços para amenizar o impacto sobre os produtores, enfatizando com os compradores a importância de manter a confiança e a paciência. “A redução da disponibilidade de castanhas não é um fato isolado, é o reflexo de vários eventos desencadeados pelas alterações climáticas, que impactam desde a polinização das árvores até a logística de transporte”, conta.

Para mitigar o impacto da crise, o Imaflora e a Arqmo mobilizaram recursos e parcerias para fornecer assistência às comunidades locais. Doações significativas de cestas básicas e recursos para aquisição de equipamentos de captação de água foram realizadas, visando aliviar as dificuldades imediatas enfrentadas pelos moradores.

As doações resultaram na distribuição de 260 cestas básicas pelo Instituto da Criança e 300 pelo Instituto Humanize, além de um projeto do ICS que disponibilizou R$ 175.000,00 para aquisição de equipamentos para captação de água. "Essas ações demonstram a solidariedade e a urgência em atender às necessidades imediatas das comunidades, enquanto trabalhamos juntos por soluções de longo prazo," conclui Feitosa.

Mateus afirma que o trabalho Florestas de Valor vai além do ambiental; “é um compromisso social com as comunidades que dependem dos recursos naturais para viver," explica Feitosa.

Refletir sobre a crise hídrica em Oriximiná vai além de analisar dados e números; é entender a interconexão entre a saúde ambiental, a economia e o bem-estar humano. Enquanto a castanha-do-Brasil serve de exemplo para os impactos diretos da seca, ela também simboliza a riqueza natural e cultural da Amazônia, reforçando a urgência de ações integradas para a conservação e o desenvolvimento sustentável da região.

À medida que Oriximiná e a Amazônia enfrentam esses desafios, a necessidade de soluções inovadoras, que harmonizem as necessidades econômicas com a conservação ambiental, torna-se cada vez mais evidente. O futuro da região dependerá da capacidade de adaptação e colaboração entre comunidades locais, instituições governamentais e organizações da sociedade civil, num esforço coletivo para garantir a sustentabilidade dos recursos amazônicos para as próximas gerações.

Imaflora

O Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) é uma organização brasileira, sem fins lucrativos, que se dedica a promover o uso sustentável e inclusivo dos recursos naturais. O Instituto desenvolve soluções que conciliam conservação ambiental e desenvolvimento econômico, ao mesmo tempo em que oferece serviços para o mercado, atendendo atores das cadeias florestais, agropecuária, da sociobiodiversidade e da agenda climática.

Criado em 1995, o Imaflora realiza trabalho em campo, assistência técnica, certificação socioambiental, além de pesquisa e desenvolvimento de estudos com base em dados públicos. O Imaflora é um agente de articulação que preza pela atuação em rede, viabilizando parcerias para fomentar soluções coletivas, que já beneficiaram mais de 62 mil pessoas em 8,1 milhões de hectares de florestas e unidades produtivas, a exemplo das iniciativas Florestas de Valor, Boi na Linha, Soja na Linha, Origens Brasil, Carbon on Track, Timberflow, entre outros.

VEM SEGUIR OS CANAIS DO DOL!

Seja sempre o primeiro a ficar bem informado, entre no nosso canal de notícias no WhatsApp e Telegram. Para mais informações sobre os canais do WhatsApp e seguir outros canais do DOL. Acesse: dol.com.br/n/828815.

tags

Quer receber mais notícias como essa?

Cadastre seu email e comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)

plus

    Mais em Notícias Brasil

    Leia mais notícias de Notícias Brasil. Clique aqui!

    Últimas Notícias