Diário Online
Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$
EFEITO COLATERAL

Cientistas descobrem como vacina AstraZeneca gera coágulos

Embora as vacinas sejam injetadas no músculo, às vezes elas podem vazar para a corrente sanguínea, onde o processo pode começar

domingo, 05/12/2021, 16:24 - Atualizado em 05/12/2021, 16:24 - Autor: Com informações MsN


Ampola da vacina AstraZeneca
Ampola da vacina AstraZeneca | REPRODUÇÃO

Uma equipe de cientistas do Reino Unido e dos Estados Unidos afirmou ter descoberto o mecanismo que faz com que a vacina contra o novo coronavírus da empresa AstraZeneca possa provocar coágulos sanguíneos em algumas pessoas. A equipe publicou o resultados do estudo no jornal americano Science Advances.

De acordo com a publicação, os pesquisadores detectaram que uma proteína no sangue é atraída por um componente-chave da vacina, o que por sua vez gera uma reação do sistema imunológico que, em combinação com outros fatores que ainda não foram determinados, leva à chamada trombocitopenia trombótica imune (PTI).

A vacina da AstraZeneca se mostrou eficaz contra a covid-19, mas acabou marcada, sobretudo na Europa, pelo temor de que gere coágulos sanguíneos, o que levou vários países a restringirem o uso dela.

Componente-chave adenovírus

A vacina Vaxzevria, desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, tem em sua composição um adenovírus (especificamente, um vírus do resfriado comum de chimpanzés).

Estudos anteriores descobriram que as pessoas que desenvolvem coágulos sanguíneos após receberem o imunizante da AstraZeneca desenvolvem anticorpos incomuns, que atacam a proteína conhecida como fator plaquetário 4 das plaquetas do sangue.

Veja também!


Segundo a nova pesquisa, é justamente o adenovírus, que atua como mensageiro na vacina da AstraZeneca, que pode estar ligado ao desenvolvimento dos coágulos, já que tudo indica que sua superfície externa atrai a proteína fator plaquetário 4 (PF4), unindo-se a ela.

Em alguns casos raros, o sistema imunológico gera então anticorpos para atacar a proteína PF4 agregada ao adenovírus. À medida que esses anticorpos também se ligam à proteína, os coágulos se desenvolvem, indica a pesquisa.

Embora as vacinas sejam injetadas no músculo, às vezes elas podem vazar para a corrente sanguínea, onde o processo pode começar.

A formação de coágulos levou muitos governos a limitar o uso da vacina da AstraZeneca, que, entretanto, é a mais barata e fácil de transportar.

Um porta-voz da farmacêutica, que participou do estudo, indicou que, "embora a pesquisa não seja definitiva, ela oferece dados interessantes" e acrescentou que a empresa vai levá-los em conta em seus esforços "para eliminar esse raro efeito colateral".

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)
MAISACESSADAS