Notícias / Notícias Pará
INFORME

Empoderar famílias e responsáveis pode ajudar a identificar o câncer infantojuvenil precocemente

Fabíola Puty, médica da Pró-Saúde que atua no Hospital Oncológico Infantil, diz que diagnóstico precoce aumenta chance de cura em 50%; na segunda-feira, 15/2, mundo lembrou o Dia Internacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil.

sábado, 20/02/2021, 15:34 - Atualizado em 21/02/2021, 10:56 - Autor: Informe


Imagem ilustrativa da notícia: Empoderar famílias e responsáveis pode ajudar a identificar o câncer infantojuvenil precocemente
| Divulgação

O câncer infantojuvenil é a primeira causa de morte por doença entre pessoas com até 19 anos de idade, mas os dados recentes mostram que o percentual de cura tem aumentado consideravelmente.

“As estatísticas têm demonstrado que o tratamento do câncer infantojuvenil obteve progresso significativo, com percentuais de cura que passaram de 30% para mais de 80% desde os anos 1960”, explica Fabíola Puty, oncologista infantojuvenil da Pró-Saúde.

Considerada uma das maiores administradoras hospitalares do país, a instituição gerencia desde a inauguração, há cinco anos, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, onde a médica trabalha, na capital paraense Belém.

A doença foi lembrada nesta semana em todo o mundo, na segunda-feira, 15 de fevereiro, Dia Internacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil.

De acordo com a especialista, mesmo diante da evolução terapêutica e na qualidade de vida dos pacientes oncológicos, a oncopediatria ainda enfrenta um desafio que depende das pessoas para ser superado.

“É fundamental falarmos sobre câncer, seus sinais e sintomas. O conhecimento sobre esse assunto não pode estar restrito somente aos profissionais da saúde”, Fabiola alerta.

A oncologista acrescenta que compartilhar as informações explicando para a sociedade quais são os sinais do câncer infantil contribui para o diagnóstico precoce, condição fundamental para o sucesso do tratamento — algo como “empoderar” familiares e responsáveis pelas crianças para que saibam identificar sinais suspeitos.

“O paciente que chega com uma doença limitada, precocemente diagnosticada, tem o dobro de chances de cura se comparado a um paciente com a doença em estágio muito avançado”, ela compara.

NO PARÁ

Primeira unidade de saúde voltada, exclusivamente, ao atendimento de crianças e adolescentes na região norte, o Hospital Oncológico Infantil registrou, nos últimos três anos (2018—2020), um total de 576 casos de cânceres de diferentes tipos.

Hoje, a unidade possui 442 pacientes ativos em tratamento e 52 internados.

Leucemias (glóbulos brancos), tumores do sistema nervoso central e os linfomas (sistema linfático) representam os tipos mais comuns de câncer infantojuvenil.

É o caso da leucemia mieloide aguda (LMA), caracterizada por alta taxa de mortalidade e fatores prognósticos que ainda são incertos.

Porém, a realização de diversos estudos nas últimas décadas, trouxe progressos no diagnóstico, estratificação e tratamento, possibilitando o aumento e sobrevida dos pacientes, em algo próximo a 75% dos casos.

Muito comuns na infância, o retinoblastoma é tipo de tumor que ataca a retina do olho. Estatísticas indicam que a doença acomete uma criança dentre 12,5 mil a 25 mil nascidas por ano.

A doença tende a ter mais de 90% de cura se diagnosticada e tratada precocemente. Mas, em muitos casos, ainda é diagnosticada em estágios avançados, diminuindo a sobrevida dos pacientes.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o retinoblastoma foi o primeiro câncer a ser descrito como uma doença genética.

Este tipo ocorre na criança pequena. Em dois terços dos casos, os retinoblastomas costumam ser diagnosticados antes de a criança completar dois anos de idade.

A maneira mais eficaz desenvolvida pela ciência para detectar a doença precocemente é o “Teste do Olhinho” (feito ainda no berçário) e as consultas pediátricas nos dois primeiros anos de vida. 

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS