plus
plus

Edição do dia

Leia a edição completa grátis
Edição do Dia
Previsão do Tempo 33°
cotação atual R$


home
CIDADE SUBMERSA

Moradores de Belém temem mais alagamentos

Com a intensidade das chuvas neste mês, moradores de bairros de Belém como Curió-Utinga e Cremação têm receio de que os alagamentos acabem em mais prejuízos

twitter Google News
Imagem ilustrativa da notícia Moradores de Belém temem mais alagamentos camera Alagamentos costumam causar muitos transtornos em Belém. Abaixo a comerciante Marinete Dantas | (Foto: Wagner Almeida)

Moradores dos bairros do Curió-Utinga e Cremação, em Belém, sofrem com alagamentos crônicos e enfrentam transtornos que se agravam com a chegada do inverno amazônico. Dessa forma, alguns já temem os prejuízos materiais, já que março é conhecido pelo período de maior intensidade das chuvas.

A comerciante Marinete Dantas, de 52 anos, que mora há 11 anos na passagem Elvira, entre as avenidas João Paulo II e Almirante Barroso, no bairro do Curió-Utinga, conta que já perdeu muita mercadoria com os alagamentos que invadem o comércio. Na parede do estabelecimento, as marcas mostram a altura que a água alcança em, no mínimo, dez minutos de chuva intensa.

Quer mais notícias do Pará? Acesse o nosso canal no WhatsApp!

“Esse problema é de muitos anos. Já perdi muita mercadoria, às vezes só falta eu me perder dentro da água. Nós temos muitos prejuízos com isso”, comenta.

A moradora afirma que os bueiros da rua estão obstruídos há um bom tempo, o que piora a situação dos alagamentos. Segundo ela, a desobstrução de bueiros já amenizaria o problema, mas a atenção também precisava ser voltada para ações de dragagem e retirada de entulhos do Canal do Mártir e do Canal do Murutucu, no bairro.

NOTÍCIAS RELACIONADAS:

“Quando teve obras aqui, há uns 2 anos, o engenheiro disse que o problema de alagamento não estava nas ruas, mas sim nos canais que cortam o bairro. Então, é isso que a gente quer, a passagem Elvira é a que mais recebe água aqui”, disse.

Ainda no Curió-Utinga, mas na passagem Virgílio, o morador Nonato Araújo, 66, comentou que não sofre muito com os alagamentos pois a residência está situada num ponto alto da rua, no entanto, diz que só a limpeza dos canais não é o suficiente para que o restante dos moradores não se desloque com a água no joelho quando chove intensamente. “Tem que retirar os entulhos, né? Para a água escoar mais rápido. As casas aqui são todas com as calçadas altas para evitar de invadir”.

Moradores de Belém temem mais alagamentos
📷 |(Foto: Wagner Almeida)

Cremação

Quem teve que ‘levantar’ a calçada para evitar maiores prejuízos foi a comerciante Zenaide Ribeiro Valadares, 75, que reside no bairro da Cremação e possui um estabelecimento na rua Fernando Guilhon, próximo da avenida Generalíssimo Deodoro.

“Já perdi muitos móveis, enchia tudo aqui e invadia a minha casa. Acho que precisa desentupir os bueiros para amenizar essa questão. Hoje já não enche mais, mas e para andar na rua depois que chove? Todo ano a gente paga IPTU”, afirma.

A vendedora de salgados Bruna Talia, de 24 anos, também comenta que sofre com prejuízos financeiros quando a rua alaga. “Já teve muitos dias que não consegui vender porque tava cheio aqui, né? Então, perco a venda. Faz uns quatro ou cinco meses desde que a prefeitura fez a última limpeza nesse canal aqui”, disse.

VEM SEGUIR OS CANAIS DO DOL!

Seja sempre o primeiro a ficar bem informado, entre no nosso canal de notícias no WhatsApp e Telegram. Para mais informações sobre os canais do WhatsApp e seguir outros canais do DOL. Acesse: dol.com.br/n/828815.

tags

Quer receber mais notícias como essa?

Cadastre seu email e comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)

plus

    Mais em Notícias Pará

    Leia mais notícias de Notícias Pará. Clique aqui!

    Últimas Notícias