Diário Online
Notícias / Polícia
É CRIME!

Vídeo: Moradores matam e exibem sucuri no interior do Pará

Nas imagens, é possível ver que os homens se orgulham do feito.

sexta-feira, 04/03/2022, 09:38 - Atualizado em 04/03/2022, 09:38 - Autor: Com informações de Dário Pedrosa

Google News

Homens aparecem segurando a cabeça da sucuri morta por eles.
Homens aparecem segurando a cabeça da sucuri morta por eles. | Reprodução

Como se sabe, na fauna brasileira há diversas e diferentes espécies de animais silvestres. E, claro, cada um tem seu grau de importância para manter o equilíbrio do ecossistema. No entanto, há quem ainda não entenda sobre o habitat natural dos animais.

Um vídeo que viralizou nas redes sociais esta semana, mostra três homens segurando uma cobra da espécie sucuri. Nas imagens, eles aparecem comemorando e exibindo o animal morto. O flagra teria ocorrido na zona rural de Cachoeira do Arari, no Marajó.

"Pessoal acabamos de matar um 'sucuriju'. Demos três tiros nele e quase nós não matamos. E se vier outro, nós vamos matar também", diz um dos homens.

Ainda segundo informações, o homem que aparece segurando a cabeça da sucuri é conhecido na região por Jeremias e tem o hábito de caçar capivaras em uma fazenda nas proximidades. É possível ver que ele e os outros dois que aparecem no vídeo, se orgulham do feito.

Leia também:

Vídeo: cobra imensa é encontrada por moradores no Jurunas

Vídeo: cobra mata homem durante apresentação em circo

No vídeo, os homens confessam que mataram a cobra após o animal dar o bote em um porco, que também aparece morto dentro da embarcação. 

É crime! 

De acordo com a lei nº 9.605 de 12 de Fevereiro de 1998: "matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida, é crime. A pena é de detenção de seis meses a um ano, mais pagamento de multa.

Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) e Ibama

ODOL entrou em contato com o Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) e com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e, aguarda um posicionamento. 


Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS