Diário Online
Notícias / Polícia
JUSTIÇA

Militar acusado de matar pais do namorado tem prisão mantida

O capitão da Marinha Cristiano da Silva Lacerda, é acusado de ter matado a facadas Geraldo Pereira Coelho e Osélia da Silva Coelho, pais do seu ex-namorado, Felipe da Silva Coelho.

sexta-feira, 08/07/2022, 21:34 - Atualizado em 08/07/2022, 21:33 - Autor: Wesley Rabelo com informações de TJRJ

Google News

Imagem ilustrativa da notícia: Militar acusado de matar pais do namorado tem prisão mantida
| ( Reprodução/ Redes Sociais )

O juiz  titular do 3º Tribunal do Júri da Capital, Alexandre Abrahão, aceitou nesta sexta-feira (08) a denúncia do Ministério Público estadual contra o capitão da Marinha Cristiano da Silva Lacerda. Ele é acusado de ter matado a facadas Geraldo Pereira Coelho e Osélia da Silva Coelho, pais do seu ex-namorado, Felipe da Silva Coelho. O crime ocorreu na noite do dia 24 de junho, no Jardim Botânico, Zona Sul do Rio de Janeiro.  

Cristiano vai responder à ação penal pelos homicídios triplamente qualificados. Segundo a denúncia, o acusado matou as vítimas por meio cruel, desferindo-lhes elevado número de facadas. As vítimas foram surpreendidas quando estavam deitadas no sofá-cama, não tendo qualquer chance de defesa. O crime se deu por vingança, pois o acusado, inconformado com o fim do relacionamento amoroso que mantinha com o filho das vítimas, quis lhe causar intenso sofrimento, assassinando seus pais, ambos idosos. 

LEIA TAMBÉM:

Dez PMs são presos por extorsão e sequestro de membros do CV

PF apreende tonelada de cocaína com símbolo nazista

O juiz destaca na decisão que “a denúncia expôs, com clareza, os fatos criminosos e todas as suas circunstâncias, havendo, portanto, justa causa para a admissão da acusação”. O magistrado decidiu ainda manter a prisão preventiva de Cristiano, decretada durante a audiência de custódia realizada no dia 26 de junho. 

“A prisão, tal como lá externado, faz-se necessária ante a ótica concreta de lesão à garantia da ordem pública, especialmente em razão da manutenção do bem-estar das testemunhas que, futuramente, naturalmente serão ouvidas na presente relação processual. Destarte, vê-se aqui o ‘perigo gerado pelo estado de liberdade do imputado’".  

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS