Diário Online
Notícias / Te Cuida
TE CUIDA!

Enxaqueca: causas, sintomas e tratamento

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a enxaqueca atinge de 10 a 20% da população

terça-feira, 25/05/2021, 19:13 - Atualizado em 25/05/2021, 19:13 - Autor: Lana Oliveira


O tratamento precisar ser multifatorial, ou seja, é necessário tratar diversas partes do paciente
O tratamento precisar ser multifatorial, ou seja, é necessário tratar diversas partes do paciente | Foto: Freepik

A enxaqueca, caracterizada pela dor de cabeça latejante de intensidade moderada a grave, é uma doença neurológica. Ela está associada muitas vezes a uma série de fatores que envolve tanto causas físicas quanto emocionais. 

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a enxaqueca atinge de 10 a 20% da população, sendo mais comum em mulheres. Apesar de ser mais frequente entre os 35 e 45 anos, os episódios podem ocorrer em qualquer idade, e as crises podem de durar entre quatro horas até três dias.

Clique aqui para ouvir mais um episódio da coluna "Te Cuida!" em versão podcast

O que causa a enxaqueca?

 

 

Segundo o clínico geral Andreyson Farias Pantoja, responsável técnico da ComVida Medicina Preventiva, a enxaqueca é uma doença que pode envolver diversas causas.

“As principais [causas] são: o jejum prolongado, estresse intenso, insônia, consumo de açúcar, chocolate, queijos fortes, café, bebidas alcoólicas em excesso, além do fumo, alterações hormonais, mais especificamente nas mulheres, e alguns perfumes têm estado como desencadeantes das crises”, diz Andreyson.

 

 

Como é feito o tratamento atual?

 

 

O tratamento da enxaqueca precisa ser multifatorial, ou seja, é necessário tratar diversos âmbitos da saúde do paciente, explica o médico neurologista, Antônio de Matos. “A gente faz o tratamento medicamentoso tratando a parte biológica, a mudança comportamental,  tratando a parte ambiental e, lógico, caso o paciente tenha uma demanda em relação a ansiedade, depressão, pode ser avaliado por um psicólogo”, destacou.

Menstruação irregular pode indicar doenças

Coronofobia: o impacto da pandemia na saúde mental

Dores na coluna e na lombar também são sinais de hérnia de disco?

Como funciona o tratamento medicamentoso?

Ainda segundo Antônio, o tratamento por meio do uso de medicamentos é importante para evitar que a dor alcance um nível mais intenso.

“Ele [o tratamento medicamentoso] pode ser feito de duas grandes formas: caso as crises de dor não sejam tão intensas ou sejam muito infrequentes, o urologista pode optar por prescrever medicação apenas quando o paciente tem crise. Essas medicações em geral são analgésicas e anti-inflamatórias. Caso o paciente tenha alterações visuais, que nós chamamos de aura, pode ser dado também o sumatriptano ou o triptanos, que são medicações que fazem com que essa alteração não progrida para uma crise intensa de dor”, conclui o médico.

Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS