DOL Carajás
Edição do dia
Edição do dia
Leia a edição completa grátis
Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$
TORCEDOR PÉ QUENTE

Padre quer continuar dando sorte para o Águia de Marabá 

“Dizem por aí agora que sou o amuleto do time”, brinca o sacerdote

sábado, 19/02/2022, 17:34 - Atualizado em 20/02/2022, 08:50 - Autor: Com Informações da PMM

Google News

O padre Fabrício acompanhou os últimos dois jogos no estádio Zinho Oliveira e deu sorte ao azulão marabaense
O padre Fabrício acompanhou os últimos dois jogos no estádio Zinho Oliveira e deu sorte ao azulão marabaense | Sérgio Barros / PMM

Entre o sonho de ser jogador de futebol e de ser padre. Essa foi a dinâmica de parte da infância e adolescência do padre Fabrício Ribeiro, enquanto brincava pelas ruas do Bairro Liberdade, lugar que cresceu e jogava bola com os colegas da Escola Irmã Theodora, onde estudou. Filho de Marabá, o padre se destacou ainda mais nas redes sociais na última semana, após uma foto dele na arquibancada, vestido de batina, com a camisa do Águia por baixo, viralizar na vitória do time marabaense por 4×2 contra o Itupiranga pela 4º rodada do campeonato paraense.

A imagem ganhou ainda mais força, pois aquela foi a primeira vitória do clube no ano. “Eu ia para igreja depois. Como ia rezar missa após o jogo, coloquei a camisa do Águia, coloquei a batina e já sai pronto. A meta era: apitou o fim do jogo, sair acelerado para poder rezar a Santa Missa”, conta, rindo.

 

Com uma rotina cheia, Padre Fabrício pretende acompanhar o time mais vezes, no Zinho Oliveira
Com uma rotina cheia, Padre Fabrício pretende acompanhar o time mais vezes, no Zinho Oliveira | Jordão Nunes/ Ascom PMM
  

Além disso, o padre esteve na sexta-feira, antes da partida com o Itupiranga, no Zinho Oliveira, para acompanhar o treino do time. Na ocasião, ele rezou com os jogadores no gramado, abençoou o time e garantiu que iria voltar para acompanhar o jogo.

Essa foi a primeira vez que ele acompanhou o time do azulão no Zinho Oliveira. Ele conta que, como deu certo, voltou para o jogo seguinte, no que acabou sendo a segunda vitória do time na competição, contra o Tapajós. Coincidência ou não, ele foi para o jogo apenas após a missa, e o Águia, que havia tomado um gol aos 4 minutos, acabou virando a partida. “Dizem por aí agora que sou o amuleto do time”, brinca.

Mesmo sem ir ao estádio, o mais novo torcedor ilustre do Águia, sempre acompanhou o clube, através dos sites esportivos, rádio e televisão. “Sempre acompanhei o time, mas era difícil conciliar o horário da missa e do jogo. Normalmente os jogos são na quarta e fins de semana. Quarta tenho missa de adoração, que se estende, e no fim de semana, eu tenho missa de manhã, tarde e noite”, conta, garantindo que a partir de agora irá se esforçar para acompanhar todos os jogos possíveis no estádio.

ÁGUIA X CASTANHAL 

O próximo jogo do Águia é neste domingo (20), contra o Castanhal, às 17h, no Zinho Oliveira. O time ocupa atualmente a 2ª posição, com oito pontos, três pontos a mais que o 3º colocado, o Paragominas. Uma vitória pode garantir a classificação antecipada do Águia na competição. O time ainda encerra sua participação na primeira fase no próximo sábado, dia 26, às 15h30, contra o Remo, em Belém.

Veja também:

Vistoria mantém interdição do gramado do Navegantão

Vídeo: Água do rio Tocantins chega ao Zinho Oliveira

Para Fabrício, um dos principais componentes da vitória é a fé. “Quando um time, um atleta, está motivado, quando ele acredita, tem fé que vai vencer já é um passo dado. Aquele que entra com fé já tem uma possibilidade maior de vitória do que aquele que entra desacreditado. Acreditar em Deus, um Deus que cuida, mas ao mesmo tempo acreditar em si mesmo é o primeiro passo para a vitória”, completa.



Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)