DOL Carajás
Notícias / Polícia
EM NOVO REPARTIMENTO

Família pede Justiça e punição para executores de caçadores

A chegada dos caixões à Câmara Municipal de Novo Repartimento, onde o velório coletivo foi realizado, ocorreu em meio a aplausos e gritos com pedidos de Justiça

segunda-feira, 02/05/2022, 10:07 - Atualizado em 02/05/2022, 12:01 - Autor: DOL Carajás com informações de Denilson D'almeida

Google News

O velório leveou centenas de pessoas à Câmara Municipal de Novo Repartimento
O velório leveou centenas de pessoas à Câmara Municipal de Novo Repartimento | Dinan Laredo/RBATV

A cidade de Novo Repartimento, no sudeste paraense, praticamente parou com a morte dos três caçadores na terra indígena de Parakană. Uma manifestação para pedir Justiça tomou conta das ruas do município, no final da tarde deste domingo (1º). O velório coletivo de Cosmo Ribeiro de Sousa, José Luis da Silva Teixeira e Willian Santos Câmara começou por volta de 20h30 e a previsão era de que o sepultamento ocorresse às 23h.

Os corpos deles foram encontrados na manhã do último sábado (30) e reconhecidos pelos familiares por causa da vestimenta que usavam. A Polícia Federal coletou material para fazer o exame de DNA. Os restos mortais foram removidos para o Instituto Médico Legal em Marabá e liberados no final da tarde deste domingo.

A chegada dos caixões à Câmara Municipal de Novo Repartimento, onde o velório coletivo foi realizado, ocorreu em meio a aplausos e gritos com pedidos de Justiça. Uma cerimônia religiosa foi celebrada. Cosmo, José Luis e Willian saíram para caçar na reserva Parakanã no dia 24 de abril e não voltaram mais. O primeiro boletim de ocorrência policial sobre o desaparecimento deles foi registrado no dia seguinte (25), pelo advogado Cândido.

Acompanhe tudo sobre o caso!

Caçadores desaparecem em terra indígena no sudeste do Pará

Impasse atrasa buscas a desaparecidos em terra indígena

Corpos de três homens são encontrados em reserva indígena

Corpos de caçadores são velados em Novo Repartimento

Justiça determina Força Nacional após corpos encontrados

Por se tratar de um território indígena, o caso só pode ser investigado pela Polícia Federal. O Ministério Público Federal acompanha o caso juntamente com a Fundação Nacional do indio (Funai). A Força Nacional está na localidade para garantir a ordem pública e evitar confrontos. Equipes do Batalhão da Policia Militar dão apoio. O clima é de tensão na cidade.

Cândido Junior diz que as famílias das vítimas não pretendem gerar conflitos. "Não haverá nenhuma ação truculenta. O que a família quer é que seja feito justiça e que o Estado dê a punição aos autores desses homicídios. Ninguém está acima da lei. Houve mortes com requintes de crueldade e tentativa de ocultação de cadáver", levantou o advogado, "O Ministério Público Federal irá atuar como titular da acusação da denúncia", pontuou.

A terra indigena Parakanã fica distante 30 quilômetros de Novo Repartimento. Trata-se de uma área de 350 mil hectares, onde vivem aproximadamente 1.500 indigenas. No último sábado (30), o cacique Xereteria Parakanã compartilhou um video nas redes sociais em que pede ajuda e proteção das autoridades. Segundo o lider indigena, o povo Parakanã está te sendo ameaçado. (Denilson D'almeida, Diário do Pará)


Conteúdo Relacionado

0 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS