Diário Online
Esporte / Esporte Pará
CAMPEONATO SUSPENSO

Parazão: Bragantino acusa Itupiranga de má-fé no caso Hatos

Segundo dirigentes do Tubarão, somente o Itupiranga sabia da punição de cinco jogos que o atleta havia recebido, após julgamento por expulsão nas quartas de final do Campeonato Paraense de 2021.

quarta-feira, 09/03/2022, 15:39 - Atualizado em 09/03/2022, 15:38 - Autor: Kaio Rodrigues

Google News

Tubarão diz estar tranquilo e respaldado
Tubarão diz estar tranquilo e respaldado | Bragantino

O futebol paraense está passando por um momento bem delicado. O Parazão está suspenso, sem previsão para voltar, após o Tribunal de Justiça Desportiva do Pará (TJD-PA) acatar uma denúncia do Paragominas, que acusa o Bragantino de utilizar o atleta Hatos Arthirso da Silva Vida de maneira irregular durante a fase classificatória.

- Remo e Paysandu demonstram preocupação com parada do Parazão

- FPF divulga nota após paralisação do Campeonato Paraense

 A diretoria do Tubarão se pronunciou nesta quarta-feira (9), um dia após a suspensão da competição. Em uma coletiva realizada pelo presidente do clube, Paulo Emílio Corrêa, e o presidente do Condel, Cláudio Wagner, eles detalharam todas as medidas de precaução que foram tomadas antes do início dos jogos e disseram para os torcedores ficarem tranquilos quanto às denúncias.

“Desde o primeiro momento, em que surgiu essa nota sobre a infração relacionada ao nosso atleta Hatos, toda nossa Junta procurou as informações, encaminhamentos jurídicos cabíveis, para que, de fato, entendêssemos tudo o que estava acontecendo, e fazer nosso encaminhamento jurídico. Temos documentos que provam que o Bragantino pediu, dentro do tempo hábil, informações ao departamento de futebol da Federação, que automaticamente informou no TJD sobre a pesquisa dos atletas que hoje fazem parte do nosso plantel. Dentro desse prazo, ninguém apareceu com punição ou infração. Então, estamos fazendo nossa parte através do jurídico. Tranquilizo nossos torcedores e garanto que o Bragantino será bem representado, assim como o nosso atleta. Com certeza, na próxima semana, o campeonato já retorna e vamos fazer uma grande festa”, disse Paulo Emílio Corrêa.

- Federação Paraense de Futebol brinca ao gerir nosso estadual


Cláudio Wagner e Paulo Corrêa deram o posicionamento do Tubarão
Cláudio Wagner e Paulo Corrêa deram o posicionamento do Tubarão | TV Tubarão
  

Na temporada de 2021, quando atuava pelo Itupiranga, Hatos foi expulso no primeiro jogo das quartas de final, contra a Tuna. Com a eliminação do clube, ele se desvinculou do Crocodilo. Dias depois, houve um julgamento, que puniu o atleta em cinco partidas. No entanto, segundo sua defesa, ele não foi notificado da decisão. O presidente do Condel, Cláudio Wagner, acusa o Itupiranga de agir com má fé.

“O Bragantino está documentado. Temos o oficio que enviamos, através de e-mail, à Federação Paraense de Futebol (FPF), no dia 14 de janeiro de 2022. Foi solicitado o encaminhamento para o TJD e foi enviado pela FPF. Fomos o quarto clube a enviar. Tomamos nossas providências. A secretária do TJD pegou Covid e ficou 15 dias de licença médica, fazendo tratamento. Até o dia 3 de fevereiro, quando o campeonato já estava rolando, não tínhamos recebido resposta do TJD. Fui até lá, solicitei a resposta ao ofício e eles nos notificaram através de e-mail, dizendo que o atleta Hatos tinha punição. Tomamos ciência e afastamos o atleta dos jogos oficiais. Queremos deixar claro que não estamos colocando a culpa em ninguém. Nem em Federação, nem em TJD, nem no Hatos. Sempre fizemos as coisas pelo lado certo. Agora, é aguardar o julgamento. Vamos nos respaldar. Houve má fé? Sim! Do Itupiranga, pois eles tinham o conhecimento do julgamento e não notificaram o atleta para ir à audiência de custódia”, comentou.

O que diz o artigo do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD):

Art. 51-A: Se a pessoa a ser citada ou intimada não mais estiver vinculada à entidade a que o destinatário estiver vinculado, esta deverá tomar as providências cabíveis para que a citação ou intimação seja tempestivamente recebida por aquela. (Incluído pela Resolução CNE no 29 de 2009). Ou seja, o Itupiranga deveria avisar Hatos sobre o julgamento.

O DOL teve acesso à decisão referente ao pedido de revisão do atleta. O presidente do Tribunal de Justiça Desportiva do Pará, Mário Célio, determinou a intimação do Itupiranga para provar que tomou as providências cabíveis em relação a citação ou intimação do atleta, nos termos do Art.51-A do CBJD no prazo de 24 horas. 

Entenda o Caso:

Para compreender melhor a história que paralisou o Parazão 2022, precisamos voltar ao Campeonato Paraense de 2021, mais precisamente no dia 2 de maio, quando Itupiranga e Tuna Luso se enfrentaram no Estádio Zinho Oliveira, em jogo válido pela ida das quartas de final, que terminou 3 a 0 para os cruzmaltinos.

Aos seis minutos do segundo tempo, Hatos foi expulso após falta em Kauê. O lance foi caracterizado pelo árbitro da partida, Djonaltan Costa de Araújo (CD/PA), como excesso de força. Uma confusão começou entre os jogadores. O atleta, em virtude da expulsão, foi julgado dia 26 de maio de 2021 pela 2ª comissão do TJD-PA (Tribunal de Justiça Desportiva do Pará), quando foi punido em cinco jogos. 

Sua defesa diz que apenas o Itupiranga foi informado sobre o julgamento e decisão. Tanto é que, após a sanção, Hatos ainda jogou seis partidas pelo Cametá, na disputa do Campeonato Paraense da Segunda Divisão de 2021.

Segundo a defesa, Hatos não sabia da punição
Segundo a defesa, Hatos não sabia da punição | Instagram/Hatos


Conteúdo Relacionado

4 Comentário(s)
    Exibir mais comentários
    MAISACESSADAS